Livro - Mensagens Escolhidas - Volume 1 | Ellen G. White Books

Mensagens Escolhidas - Volume 1

CAPÍTULO 33

Examinai as Escrituras

ME1 - Pag. 242  

"Examinai as Escrituras"

É de suma importância que todo ser humano dotado da faculdade do raciocínio compreenda sua relação para com Deus. Em nossas escolas não é estudada cuidadosamente a obra da redenção. Muitos dos estudantes não possuem um verdadeiro conceito do que significa o plano da salvação. A palavra de Deus acha-se empenhada em nosso favor. Aquele que Se comove com o sentimento de nossas fraquezas, convida-nos: "Vinde a Mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e Eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o Meu jugo e aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o Meu jugo é suave e o Meu fardo é leve." Mat. 11:28-30.

Estudantes, estareis seguros apenas à medida que, em perfeita submissão e obediência, vos unais a Cristo. O jugo é leve, pois Cristo suporta o peso. Ao erguerdes o fardo da cruz, ele se tornará leve; e essa cruz é para vós um penhor de vida eterna. É privilégio de todos seguir alegremente após Cristo, exclamando a todo passo: "A Tua clemência me engrandeceu." II Sam. 22:36. Mas se quisermos viajar rumo ao Céu, temos de


ME1 - Pag. 243  

tomar a Palavra de Deus como nosso guia. Nas palavras da Inspiração devemos ler nossas lições dia a dia.

Diz o apóstolo Paulo: "Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois Ele, subsistindo em forma de Deus não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes a Si mesmo Se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-Se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a Si mesmo Se humilhou, tornando-Se obediente até à morte, e morte de cruz. Pelo que também Deus O exaltou sobremaneira e Lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho." Filip. 2:5-10.

A humilhação do Homem Cristo Jesus é incompreensível à mente humana; mas Sua divindade e Sua existência antes que o mundo fosse formado, jamais podem ser postas em dúvida pelos que crêem na Palavra de Deus. O apóstolo Paulo refere-se ao nosso Mediador, o unigênito Filho de Deus que, num estado de glória subsistia na forma de Deus, Comandante de todas os exércitos celestes e que, quando revestiu de humanidade Sua Divindade, tomou sobre Si a forma de servo. Declara Isaías: "Um Menino nos nasceu, um Filho se nos deu, o governo está sobre os Seus ombros; e o Seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz; para que se aumente o Seu governo, e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o Seu reino, para o estabelecer e o firmar mediante o juízo e a justiça, desde agora e para sempre." Isa. 9:6 e 7.

Consentindo em tornar-Se homem, Cristo manifestou uma humildade que constitui a maravilha dos seres celestiais. O ato de consentir em Se tornar homem não seria humilhação, não fosse a exaltada preexistência de Cristo. Temos de abrir nosso entendimento a fim de compreender que Cristo pós de lado Suas vestes reais, Sua real coroa, Seu alto comando, e revestiu de humanidade a Sua divindade, a fim de que pudesse ir ao encontro do homem onde este se achava, e trazer à família humana o poder moral necessário para tornarem-se filhos e filhas de


ME1 - Pag. 244  

Deus. Para redimir o homem, Cristo tornou-Se obediente até à morte, e morte de cruz.

A humanidade do Filho de Deus é tudo para nós. É a corrente de ouro que liga nossa alma a Cristo, e por meio de Cristo a Deus. Isto deve constituir nosso estudo. Cristo foi um homem real; deu prova de Sua humildade, tornando-Se homem. Entretanto, era Ele Deus na carne. Quando abordamos este assunto, bem faremos em levar a sério as palavras dirigidas por Cristo a Moisés, junto à sarça ardente: "Tira as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é terra santa." Êxo. 3:5. Devemos aproximar-nos deste estudo com a humildade de um discípulo, de coração contrito. E o estudo da encarnação de Cristo é campo frutífero, que recompensará o pesquisador que cave fundo em busca de verdades ocultas.

As Escrituras - Nosso Guia

A Bíblia é nosso guia nas seguras veredas que levam à vida eterna. Deus inspirou os homens para escreverem aquilo que nos apresente a verdade, que nos atraia e que, se for praticado, habilitará o recebedor a obter poder moral que o colocará entre os espíritos mais altamente educados. Expandir-se-á a mente de todos os que fazem da Palavra de Deus seu estudo. Muito mais do que qualquer outro estudo, este é de natureza a aumentar as faculdades de compreensão, e dotar com novo vigor todas as faculdades. Põe a mente em contato com os amplos e enobrecedores princípios da Verdade. Leva-nos em íntima relação com todo o Céu, comunicando sabedoria, e conhecimento e compreensão.

Tratando com produções comuns, e alimentando-se de escritos de homens não inspirados, a mente torna-se atrofiada e vulgar. Não é posta em contato com os profundos e amplos princípios da verdade eterna. O entendimento adapta-se inconscientemente à compreensão das coisas com as quais se familiariza; e na consideração dessas coisas o entendimento se enfraquece, contraem-se suas faculdades.

É desígnio de Deus que as Escrituras, fonte da ciência que paira acima de toda teoria humana, seja esquadrinhada.


ME1 - Pag. 245  

Deseja Ele que o homem cave fundo nas minas da verdade, para que alcance o valioso tesouro que encerram. Mas muitas vezes as teorias e a sabedoria dos homens são postas em lugar da ciência da Bíblia. Empenham-se os homens na obra de remodelar os desígnios de Deus; procuram fazer distinção entre os livros da Bíblia. Por meio de suas invenções fazem as Escrituras testificarem de uma mentira.

A Exata Necessidade do Ser Humano

Não fez Deus depender o recebimento do evangelho do raciocínio humano. O evangelho adapta-se a ser alimento espiritual, a satisfazer o apetite espiritual do homem. Em todos os casos é justamente o que o homem precisa. Os que têm julgado necessário que os alunos de nossas escolas estudem muitos autores, são eles mesmos os mais desconhecedores quanto aos grandes temas da Bíblia. Os professores mesmos precisam tomar o Livro de todos os livros, e aprender das Escrituras que o evangelho tem poder para provar sua própria divindade ao espírito humilde e contrito.

O evangelho é o poder de Deus e a sabedoria de Deus. O caráter de Cristo na Terra revelava divindade, e o evangelho por Ele dado deve ser o estudo de Sua herança humana em todos os seus departamentos educacionais, até que professores, crianças e jovens distingam no único Deus vivo e verdadeiro o objetivo de sua fé e amor e adoração. Deve a Palavra ser respeitada e obedecida. Esse Livro que contém o registro da vida de Cristo, de Sua obra, Suas doutrinas, Seus sofrimentos e triunfos finais, deve ser a fonte de nossa força. São-nos concedidos privilégios de uma vida escolar neste mundo, a fim de que possamos alcançar a habilitação para a vida mais elevada - o mais alto grau na mais alta escola, onde, sob as vistas de Deus, nossos estudos continuarão através dos intérminos séculos da eternidade.

<< Capítulo Anterior Próximo Capítulo >>