Livro - No Deserto da Tentação | Ellen G. White Books

No Deserto da Tentação

Cristo, Nossa Esperança e Exemplo

DT - Pag. 60  

Ele não deixaria para Seu povo um exemplo perfeito de fé e firme confiança em Deus.

O objetivo de Satanás ao tentar a Cristo era levá-Lo à presunção audaciosa, mostrando a fraqueza humana que impediria fosse um perfeito modelo para Seu povo. Pensava que se Cristo falhasse em suportar o teste de suas tentações, não poderia haver redenção para a humanidade e o seu poder sobre ela seria completo.

Cristo, Nossa Esperança e Exemplo

A humilhação e agonizantes sofrimentos de Cristo no deserto da tentação foram em favor da humanidade. Tudo em Adão foi perdido pela transgressão. A única esperança de ser o homem restaurado ao favor de Deus era através de Cristo. O homem se separou de Deus a tão grande distância pela transgressão de Sua lei, que não podia humilhar-se diante de Deus em nenhum grau proporcional à magnitude do seu pecado. O Filho de Deus podia compreender totalmente a gravidade do pecado do transgressor e em Seu caráter sem pecado, unicamente Ele poderia oferecer pelo homem uma expiação aceitável, suportando o sofrimento agonizante do desprazer do Pai. A tristeza e angústia do Filho de Deus pelos pecados do mundo foram proporcionais à Sua excelência e pureza divinas, bem como à magnitude da ofensa.

Cristo foi nosso exemplo em todas as coisas. Ao vermos Sua humilhação na longa prova e jejum, a Em de vencer a tentação do apetite em


DT - Pag. 61  

nosso benefício, devemos aprender a vencer quando formos tentados. Se o poder do apetite é tão forte sobre a família humana e sua condescendência é tão temível que o Filho de Deus Se submeteu a tal teste, quão importante é que sintamos a necessidade de manter o apetite sob o controle da razão! Nosso Salvador jejuou aproximadamente seis semanas a fim de que pudesse ganhar para o homem a vitória sobre o apetite. Como pode um professo cristão, tendo uma consciência esclarecida e tendo a Cristo diante de si como seu exemplo, submeter-se à condescendência com o apetite, que tem debilitado a mente e o corpo? E fato doloroso que hábitos de satisfação própria às expensas da saúde e poder moral, estão atualmente jogando grande parte do mundo cristão nos laços da escravidão.

Muitos que professam piedade não examinam razoavelmente o longo período de jejum e sofrimentos de Cristo no deserto. Sua angústia não era tanto pela terrível fome, mas pelo senso do resultado penoso da condescendência com o apetite e paixão, sobre a humanidade. Ele sabia que o apetite seria o ídolo do homem e o levaria a se esquecer de Deus, colocando-se diretamente no caminho de sua salvação.

Nosso Salvador mostrou perfeita confiança de que Seu Pai celestial não iria deixá-Lo sofrer a tentação acima do que Ele poderia, dando-Lhe força para suportar; e dar-Lhe-ia a vitória se Ele pacientemente enfrentasse a tentação a que estava sujeito. Cristo não colocou a própria vontade em perigo.

<< Capítulo Anterior Próximo Capítulo >>