Livro - No Deserto da Tentação | Ellen G. White Books

No Deserto da Tentação

CAPÍTULO 8

Uma Ameaça ao Reino de Satanás

DT - Pag. 32  

no meio da corrupção que os cercava, formando caráter perfeitamente justo e sendo considerados dignos da trasladação para o Céu. Ao permanecerem firmes em poder moral, na justiça enobrecedora, vencendo as tentações de Satanás, ele não podia colocá-los sob o domínio da morte. Gabou-se de que tinha poder para com suas tentações dominar Moisés, e que poderia manchar o seu nobre caráter e levá-lo a pecar, tomando para si, diante do povo, a glória que pertencia a Deus.

Cristo ressuscitou a Moisés e o levou para o Céu. Isto exasperou Satanás, levando-o a acusar o Filho de Deus de invadir seu domínio, roubando da sepultura sua legítima presa. Disse Judas, referindo-se à ressurreição de Moisés: "Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda." Jud. 9.

Quando Satanás tem êxito em tentar as pessoas a quem Deus tem especialmente honrado, a cometer graves pecados, ele triunfa, porque ganha para si mesmo uma grande vitória e causa dano ao reino de Cristo.

Uma Ameaça ao Reino de Satanás

Por ocasião do nascimento de Cristo, Satanás viu as planeies de Belém iluminadas pela brilhante glória de uma multidão de anjos celestiais. Ouviu o seu cântico: "Glória a Deus nas alturas,


DT - Pag. 33  

paz na Terra, boa vontade para com os homens!" Luc. 2:14. O príncipe das trevas viu os pastores maravilhados, cheios de temor, observando as planícies iluminadas. Tremiam diante da exibição de ofuscante glória que parecia penetrar nos seus sentidos. O próprio chefe rebelde tremeu ante a proclamação do anjo aos pastores: "Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo, pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor." Luc. 2:10 e 11. Tinha delineado com grande êxito um plano para arruinar os homens e tornara-se audacioso e poderoso. Controlara a mente e o corpo dos homens desde Adão até ao primeiro aparecimento de Cristo. Mas agora Satanás estava em dificuldade e alarmado pelo seu reino e sua vida.

Pelo cântico dos mensageiros celestiais, proclamando o advento do Salvador ao mundo caído, e o regozijo expresso neste grande evento, Satanás sabia que não lhe era reservada boa coisa. Um sinal negro se lhe abateu sobre a mente: o que a influência deste advento ao mundo poderia causar ao seu reino. Indagava se isto não era a vinda daquele que contestaria o seu poder e destruiria o seu reino. Considerou a Cristo, desde o Seu nascimento, como rival. Promoveu a inveja e o ciúme de Herodes para destruir a Cristo, insinuando que o seu poder e o seu reino estavam prestes a ser dados a Este novo Rei. Satanás imbuiu Herodes dos mesmos sentimentos e temor que perturbavam sua própria mente. Inspirou a intenção


DT - Pag. 34  

corrupta de Herodes, de matar todas as crianças de Belém, que tinham até dois anos de idade, plano este, pensava ele, que teria êxito em livrar a Terra do infante Rei.

Todavia, contra seus planos, Satanás vê um mais elevado poder operando. Anjos de Deus protegiam a vida do infante Redentor. José foi avisado em sonho, que fugisse para o Egito, encontrando asilo para o Redentor do mundo numa terra pagã. Satanás O seguiu desde a infância até a juventude e da juventude até a vida adulta, cogitando meios e maneiras para desviá-Lo de Sua submissão a Deus, e dominá-Lo com suas sutis tentações. A imaculada pureza da infância, juventude e vida adulta de Cristo, que Satanás não podia manchar, aborrecia-o excessivamente. Todos os seus dardos e flechas de tentações caíam inofensivas diante do Filho de Deus. E quando ele viu que todas as suas tentações não resultavam em nada para desviar a Cristo de Sua leal integridade, ou macular a impecável pureza do Jovem Galileu, ficou perplexo e terrivelmente enfurecido. Olhava para esse Jovem como um inimigo que ele mais receava e temia.

Esse deveria ser Aquele que andaria sobre a Terra com poder moral para suportar todas as suas tentações, que resistiria a todas as suas atrativas seduções para persuadi-Lo a pecar, e sobre quem ele não obteria nenhuma vantagem para separá-Lo de Deus. Tudo isto provocava e irritava sua majestade satânica.

A infância, juventude e vida adulta de João, que


DT - Pag. 35  

veio no espírito e poder de Elias para fazer uma obra de preparo do caminho para o Redentor do mundo, foi marcada por firmeza e poder moral. Satanás não pôde afastá-lo de sua integridade. Quando a voz do profeta foi ouvida no deserto: "Preparai o caminho do Senhor, endireitei as suas veredas" (Mat. 3:3), Satanás temeu pelo seu reino. Sentiu que a voz, soando no deserto como som de trombeta, levava pecadores sobre seu controle a tremer. Viu que o seu poder sobre muitos estava quebrado. A intensidade do pecado foi revelada de tal maneira que os homens ficaram alarmados; e alguns, pelo arrependimento de seus pecados, encontraram o favor de Deus e obtiveram poder moral para resistir às suas tentações.

Ele estava presente quando Cristo Se apresentou a João para o batismo. Ouviu a voz majestosa ressoando através do Céu e ecoando pela Terra como estrépito de trovão. Viu os relâmpagos das nuvens dos céus e ouviu as respeitáveis palavras de Jeová: "Este é o Meu Filho amado, em quem Me comprazo." Mat. 3:17. Viu o resplendor da glória do Pai cobrindo a forma de Jesus, apontando assim à multidão Aquele a quem Ele reconhecia como Seu Filho, com inegável segurança. As circunstâncias relacionadas com a cena batismal despertaram o mais intenso ódio no peito de Satanás. Agora sabia com certeza que, se não pudesse dominar a Cristo, a partir desse tempo seu poder seria limitado. Compreendeu que a comunicação do trono de Deus significava que o Céu estava mais diretamente acessível ao homem.


DT - Pag. 36  

Ao levar Satanás o homem a pecar, tinha esperanças de que a repugnância de Deus ao pecado O separaria para sempre do homem e quebraria o elo de ligação entre o Céu e a Terra. O abrir dos Céus em conexão com a voz de Deus dirigida a Seu Filho foi como um toque mortal para Satanás. Temeu que Deus estava agora mais disposto a unir o homem a Si mesmo e conferir-lhe poder para vencer suas artimanhas. E com este propósito Cristo veio das cortes reais para a Terra. Satanás estava bem ciente da posição honrosa que Cristo ocupava rio Céu como Filho de Deus, o amado do Pai. Ao deixar o Céu e vir a este mundo como homem, isto o encheu de apreensão por sua segurança. Ele não podia compreender o mistério deste grande sacrifício em benefício do homem caído. Sabia que a avaliação do Céu excedia em muito o antegozo e apreciação do homem caído. O mais valioso tesouro do mundo, ele sabia, não se compara com o seu valor. Sendo que havia perdido, por causa de sua rebelião, todas as riquezas e puras glórias do Céu, estava determinado a ser vingativo, levando a humanidade, tanto quanto possível, a desvalorizar o Céu e a colocar as afeições nos tesouros terrestres.

Era incompreensível, para o caráter egoísta de Satanás, que pudesse existir tão grande benevolência e amor para com um ser enganado, que induzisse o Príncipe do Céu a deixar Seu lar e vir ao mundo mareado pelo pecado e pela maldição. Conhecia o inestimável valor das riquezas eternas que o homem desconhecia. Tinha experiência da


DT - Pag. 37  

pura satisfação, da paz, da exaltada santidade e ilimitado regozijo do lar celestial. Compreendia, antes de sua rebelião, a satisfação da completa aprovação de Deus. Já tivera uma completa apreciação da glória que envolvia o Pai e sabia que não havia limite ao Seu poder.

Satanás sabia o que tinha perdido. Agora temia que seu império sobre o mundo fosse contestado e quebrado seu poder. Sabia, pela profecia, que o Salvador fora predito e que Seu reino não seria estabelecido com triunfo terrestre e com honra e exibição mundanas. Sabia que as profecias antigas prediziam um reino que seria estabelecido pelo Príncipe do Céu sobre a Terra, a qual reclamava como seu domínio. Esse reino abarcaria todos os reinos do mundo e então seu poder e sua glória cessariam e ele receberia sua retribuição pelos pecados que havia introduzido no mundo e a miséria que havia trazido sobre o homem. Sabia que tudo o que concernia a sua prosperidade estava dependendo do seu êxito ou fracasso em dominar a Cristo com suas tentações no deserto. Trouxe sobre Cristo todo artifício e força de suas tentações poderosas, para desviá-Lo de Sua obediência.

É impossível ao homem conhecer a força das tentações de Satanás sobre o Filho de Deus. Cada tentação que parece tão aflitiva ao homem na sua vida cotidiana, tão difícil de ser resistida e dominada, foi trazida sobre o Filho de Deus em tão alto grau quanto a Sua excelência de caráter era superior à do homem caído.

<< Capítulo Anterior Próximo Capítulo >>