Livro - Beneficência Social | Ellen G. White Books

Beneficência Social

CAPÍTULO 6

Nosso Exemplo em Beneficência Cristã

BS - Pag. 53  

III. O Modelo Que o Novo Testamento Oferece

Os seguidores de Cristo foram redimidos para ser úteis ao próximo. Nosso Senhor ensina que o verdadeiro objetivo da vida é servir. Cristo mesmo foi obreiro, e dá a todos os Seus seguidores a lei do serviço - o serviço a Deus e ao próximo. Aqui Cristo apresentou ao mundo uma concepção mais elevada da vida, a qual jamais conheceram. Vivendo para servir aos outros, o homem é levado à comunhão com Cristo. A lei de servir torna-se o vínculo que nos liga a Deus e a nosso semelhante.

Cristo confia a Seus servos "Seus bens" - alguma coisa que deve ser usada para Ele. Dá "a cada um sua obra". Todos têm seu lugar no plano eterno do Céu. Todos devem colaborar com Cristo para a salvação de almas. Tão certo como nos está preparado um lugar nas mansões celestes, há também um lugar designado aqui na Terra, onde devemos trabalhar para Deus. Parábolas de Jesus, págs. 326 e 327.

Nosso Exemplo em Beneficência Cristã

Pois o próprio Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir. Mar. 10:45.

Cristo Se Apresenta Perante nós Como a Grande Norma

Fazei a obra de Cristo o vosso exemplo. Constantemente Ele saía fazendo o bem - alimentando o faminto, curando os enfermos. Ninguém que a Ele viesse em busca de simpatia saía desapontado. Comandante das cortes celestiais, Ele Se fez carne e habitou entre nós, e Sua vida de trabalho é um exemplo da tarefa que devemos executar. Seu amor terno e piedoso é uma repreensão ao nosso egoísmo e dureza de coração. Manuscrito 55, 1901.

Cristo Se pôs como cabeça da humanidade nas vestes da humanidade. Tão plena de simpatia e amor era Sua atitude que nem o mais pobre tinha receio de vir a Ele. Era bom para todos, facilmente acessível ao mais humilde. Ia de casa em casa curando os enfermos, alimentando os famintos, confortando os tristes, tranqüilizando os aflitos, falando de paz ao atribulado. ... Ele Se dispôs a humilhar-Se a Si mesmo, a negar-Se. Não procurava distinguir-Se. Era servo de todos. Sua comida e Sua bebida era ser um conforto e um consolo a outros, era alegrar os tristes e aliviar o fardo daqueles com quem diariamente entrava em contato.

Cristo Se apresenta diante de nós como um Homem padrão, o grande Médico-Missionário - um exemplo para todos que viessem depois. Seu amor, puro e santo, abençoava todo que estivesse dentro de Sua esfera de influência.


BS - Pag. 54  

Seu caráter era absolutamente perfeito, isento da mais leve mancha de pecado. Ele veio como expressão do perfeito amor de Deus, não para esmagar, não para julgar e condenar, mas para sanar todo caráter fraco e defeituoso, para salvar homens e mulheres do poder de Satanás. Ele é o Criador, Redentor e Sustentador da humanidade. A todos faz Ele o convite: "Vinde a Mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o Meu jugo, e aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma. Porque o Meu jugo é suave, e o Meu fardo é leve." Mat. 11:28-30.

Qual, então, o exemplo que devemos dar ao mundo? Devemos empenhar-nos na mesma obra que o grande Médico-Missionário tomou a Si em nosso favor. Devemos seguir o caminho da abnegação assinalado por Cristo. Special Testimonies, Série B, nº 8, págs. 31 e 32.

Cristo Tocado Pela Compaixão

Ao ver Cristo a multidão que se reunia em torno dEle, "teve grande compaixão deles, porque andavam desgarrados e errantes como ovelhas que não têm pastor". Mat. 9:36. Cristo via as enfermidades, as dores, a carência e degradação das multidões que Lhe dificultavam os passos. Eram-Lhe apresentadas as necessidades e misérias da humanidade em todo o mundo. Entre os mais altos e os mais humildes, os mais honrados e os mais degradados, via almas anelando as próprias bênçãos que Ele viera trazer. ...

Hoje existem as mesmas necessidades. O mundo carece de obreiros que trabalhem como Cristo fazia pelos aflitos e os pecadores. Há, na verdade, uma multidão a ser alcançada. O mundo está cheio de doenças, sofrimentos, misérias e pecados. Cheio de criaturas necessitadas de quem delas cuide - o fraco, o desamparado, o ignorante, o degradado. Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 492.


BS - Pag. 55  

O Modelo que Devemos Copiar

O verdadeiro espírito missionário é o espírito de Cristo. O Redentor do mundo foi o grande missionário modelo. Muitos de Seus seguidores têm trabalhado diligente e abnegadamente na causa da salvação humana; mas o trabalho de homem algum pode-se comparar com a abnegação, o sacrifício, a beneficência de nosso Exemplo.

O amor que Cristo demonstrou por nós, é sem paralelo. Quão zelosamente trabalhou Ele! Quantas vezes esteve sozinho, em fervorosa oração, nas encostas das montanhas ou no retiro do horto, derramando Suas súplicas com forte clamor e lágrimas! Com que perseverança insistia Ele em Suas petições pelos pecadores! Mesmo na cruz, esqueceu os próprios sofrimentos, em Seu grande amor por aqueles a quem viera salvar. Quão frio o nosso amor, quão débil nosso interesse, quando comparados com o amor e o interesse manifestados por nosso Salvador! Jesus Se deu a Si mesmo para redimir nossa raça; todavia quão prontos somos a nos desculpar de dar tudo quanto temos a Jesus! Nosso Salvador submeteu-Se a fatigante trabalho, à ignomínia e ao sofrimento. Foi repelido, zombado, escarnecido enquanto Se empenhava na grande obra que viera realizar na Terra.

Acaso indagais, irmãos e irmãs: Que modelo imitarei eu? Não vos indico grandes homens, homens bons, mas o Redentor do mundo. Caso queiramos ter o verdadeiro espírito missionário, precisamos imbuir-nos do amor de Jesus; precisamos olhar para o Autor e Consumador de nossa fé, estudar-Lhe o caráter, cultivar-Lhe o espírito de mansidão e humildade, e andar em Suas pegadas.

Muitos pensam que o espírito missionário, a habilitação para a obra missionária, é um dom ou dotação especial concedido aos pastores e a alguns poucos membros da igreja, e que todos os outros devem ser meros espectadores.


BS - Pag. 56  

Nunca houve erro maior. Todo verdadeiro cristão possuirá espírito missionário; pois ser cristão é ser semelhante a Cristo. Ninguém vive para si mesmo, e "se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dEle". Rom. 8:9. Todo aquele que tem experimentado as virtudes do mundo por vir, seja ele jovem ou idoso, instruído ou iletrado, será movido pelo espírito que atuou em Cristo. O primeiro impulso do coração regenerado é levar outros também ao Salvador. Os que não possuem este desejo, dão provas de haver perdido o primeiro amor; devem examinar rigorosamente o coração à luz da Palavra de Deus, e procurar um novo batismo do Espírito de Cristo; devem orar por mais profunda compreensão daquele assombroso amor que Jesus manifestou por nós em deixar o reino da glória e vir a um mundo caído para salvar os perdidos. Testemunhos Seletos, vol. 2, págs. 126 e 127.

A Interpretação que Cristo Dá ao Evangelho

A divina comissão não necessita reforma. Nada há que melhorar na presente verdade segundo o método de Cristo. O Salvador deu aos discípulos lições práticas, ensinando-lhes como trabalhar de maneira que as almas se sentissem jubilosas na verdade. Ele simpatizava com os cansados, os sobrecarregados, os oprimidos. Alimentava os famintos e curava os enfermos. Constantemente saía fazendo o bem; e pelo bem que realizava, pelas palavras de amor e obras de bondade, interpretava o evangelho para os homens.

Embora breve como foi o período de Seu ministério público, Ele completou a obra para que viera. Quão impressivas foram as verdades que ensinou! Quão completa Sua carreira! Quão espiritual o alimento que diariamente distribuía ao apresentar o pão da vida a milhares de almas famintas! Sua vida foi um vivo ministério da palavra. Nada prometeu que não cumprisse.


BS - Pag. 57  

As palavras de vida eram apresentadas com tal simplicidade que uma criança podia entendê-las. Assim eram homens, mulheres e crianças de tal forma impressionados com Sua maneira de explicar as Escrituras que podiam captar até a entonação de Sua voz, pondo em suas palavras a mesma ênfase e imitando os Seus gestos. A juventude absorvia o espírito do Seu ministério, e procurava modelar-se segundo Suas graciosas maneiras, procurando assistir os que via em necessidade de auxílio.

Assim como podemos assinalar o curso de uma corrente de água pela linha de vegetação verde que ela produz, assim Cristo pode ser visto nas obras de misericórdia que marcou cada passo do Seu caminho. Aonde quer que ia brotava a saúde, a felicidade se seguia onde quer que Ele passasse. Os cegos e os surdos se rejubilavam em Sua presença. Aos ignorantes Suas palavras abriam a fonte da vida. Ele dispensava Suas bênçãos abundante e continuamente. Eram os armazenados tesouros da eternidade, dados em Cristo, o rico dom do Senhor ao homem.

A obra de Cristo em favor do homem não está terminada. Ela continua ainda hoje. Da mesma maneira devem os Seus embaixadores pregar o evangelho e revelar Seu piedoso amor pelas almas perdidas e a perecer. Pela manifestação de interesse altruísta naqueles que necessitam de auxílio devem eles dar uma demonstração prática da verdade do evangelho. Nesta obra está incluído muito mais que mera pregação de sermões. A evangelização do mundo é a obra que Deus deu aos que saem em Seu nome. Devem ser colaboradores de Cristo, revelando Seu amor terno e piedoso aos que estão prontos a perecer. Deus convida a milhares para que por Ele trabalhem, não pelo pregar aos que conhecem a verdade para este tempo, mas pelo advertir aos que jamais ouviram a última mensagem de misericórdia. Trabalhai com o coração repleto de um fervoroso desejo de almas. Fazei obra médico-missionária.


BS - Pag. 58  

Assim conseguireis acesso ao coração do povo, e o caminho será preparado para mais decidida proclamação da verdade.

Quem é coobreiro de Cristo nesta abençoada obra médico-missionária? Quem aprendeu as lições do Mestre e sabe como tratar habilmente com as almas pelas quais Cristo morreu? Nós necessitamos, e quanto! de médicos para a alma, que tenham sido educados na escola de Cristo e que possam trabalhar nas fileiras de Cristo. Review and Herald, 17 de dezembro de 1914.

<< Capítulo Anterior Próximo Capítulo >>