Livro - Beneficência Social | Ellen G. White Books

Beneficência Social

CAPÍTULO 24

Devem os Pobres Exercer a Beneficência

BS - Pag. 203  

Devem os Pobres Exercer a Benevolência

Não Importa a Quantidade, mas a Prontidão do Amor

Os pobres não estão excluídos do privilégio de dar. Eles, bem como os ricos, podem desempenhar uma parte nesta obra. A lição que Cristo deu com relação às duas moedas da viúva mostra que as menores ofertas voluntárias dos pobres, se dadas de coração amorável, são tão bem aceitas como os maiores donativos dos ricos. Nas balanças do santuário as ofertas dos pobres, oriundas do amor a Cristo, são estimadas não segundo a importância dada, mas segundo o amor que constrange ao sacrifício. Review and Herald, 10 de outubro de 1907.

Também dos Pobres se Requer Sacrifício

Alguns que são pobres em bens deste mundo estão prontos a deixar todo testemunho sobre os ombros dos homens de posse. Mas eles não compreendem que lhes toca também uma obra a fazer. Também deles Deus requer sacrifício. Review and Herald, 18 de abril de 1871.

Ela Fez o que Pôde

O Salvador chamou a Si os discípulos, e convidou-os a notar a pobreza da viúva. Então soaram aos ouvidos dela Suas palavras de louvor: "Em verdade vos digo que lançou mais do que todos esta pobre viúva." Luc. 21:3. Lágrimas de alegria lhe encheram os olhos, ao ver que seu ato era compreendido e apreciado. Muitos tê-la-iam aconselhado a guardar seu escasso recurso para o próprio uso; dado às mãos dos bem nutridos sacerdotes, perder-se-ia de vista entre os muitos custosos dons levados ao tesouro. Mas Jesus entendeu-lhe o motivo.


BS - Pag. 204  

Ela cria que o serviço do templo era indicado por Deus, e estava ansiosa por fazer tudo que lhe era possível para sua manutenção. Fez o que pôde e sua ação serviria de monumento a sua memória, através dos tempos, e alegria na eternidade. O coração acompanhou-lhe a dádiva; seu valor foi estimado, não pela importância da moeda, mas pelo amor para com Deus e o interesse para com Sua obra, que a motivaram.

Jesus disse da viúva pobre: Ela "lançou mais do que todos". Luc. 21:3. Os ricos deram de sua abundância, muitos deles para serem vistos e honrados pelos homens. Seus grandes donativos não os privaram de nenhum conforto, nem mesmo do luxo; não tinham exigido nenhum sacrifício que pudesse ser comparado, em valor, com as moedas da viúva.

É o motivo que dá sentido às nossas ações, assinalando-as com ignomínia ou elevado valor moral. Não são as grandes coisas que todos os olhos vêem e toda língua louva, que Deus considera mais preciosas. Os pequenos deveres cumpridos com contentamento, as pequeninas dádivas que não fazem vista, e podem parecer destituídas de valor aos olhos humanos, ocupam muitas vezes diante de Deus o mais alto lugar. Um coração de fé e amor é mais precioso para Deus que os mais custosos dons. A viúva pobre deu sua subsistência para fazer o pouco que fez. Privou-se de alimento para oferecer aquelas duas moedinhas à causa que amava. E fê-lo com fé, sabendo que seu Pai celestial não passaria por alto sua grande necessidade. Foi esse espírito abnegado e essa infantil fé que atraiu o louvor do Senhor.

Existem entre os pobres muitos que anelam manifestar gratidão para com Deus por Sua graça e verdade. Desejam ardentemente tomar parte, com seus irmãos mais prósperos, na manutenção de Seu serviço. Essas almas não devem ser repelidas. Permita-se-lhes pôr suas moedas


BS - Pag. 205  

no banco do Céu. Dadas com o coração cheio de amor para com Deus, essas ninharias aparentes tornam-se dádivas consagradas, inapreciáveis ofertas que Deus aprova e abençoa. O Desejado de Todas as Nações, pág. 615.

Como a Igreja da Macedônia Correspondeu

Escreve Paulo à igreja de Corinto: "Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus dada às igrejas da Macedônia; como, em muita prova de tribulação, houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza superabundou em riquezas da sua generosidade. Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente, pedindo-nos com muitos rogos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos. E não somente fizeram como nós esperávamos, mas também a si mesmos se deram primeiramente ao Senhor e depois a nós, pela vontade de Deus; de maneira que exortamos a Tito que, assim como antes tinha começado, assim também acabe esta graça entre vós." II Cor. 8:1-6.

Houvera uma fome em Jerusalém, e Paulo sabia que muitos dos cristãos se haviam dispersado, e que os que haviam ficado estariam da mesma maneira privados de simpatia humana e expostos à inimizade religiosa. Exortou, portanto, as igrejas a enviarem ajuda financeira a seus irmãos em Jerusalém. A importância arrecadada pela igreja excedera à expectativa dos apóstolos. Constrangidos pelo amor de Cristo, os crentes deram liberalmente, e encheram-se de alegria por exprimirem assim sua gratidão ao Redentor e seu amor pelos irmãos. Isso é a verdadeira base da caridade, segundo a Palavra de Deus. Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 509.

Segundo os Talentos que Possuímos

Lemos da igreja em Macedônia que "em muita prova de tribulação, houve abundância do seu gozo, e como a sua


BS - Pag. 206  

profunda pobreza superabundou em riquezas da sua generosidade". II Cor. 8:2. Pode então qualquer de nós que professe o cristianismo pensar que estará desculpado por nada fazer pela verdade em virtude de ser pobre? Consideramos a luz preciosa da verdade como um inexprimível, inexaurível tesouro. Devemos exercer influência na proporção dos talentos que nos foram confiados, sejamos ricos ou pobres, elevados ou humildes, ignorantes ou cultos. Somos servos de Jesus Cristo, e o Senhor espera que façamos o melhor que nos for possível. Review and Herald, 4 de setembro de 1894.

Aos Pobres não Deve Ser Negada a Bênção de Dar

Repousa sobre os ministros de Cristo a responsabilidade de ensinar as igrejas a serem liberais. Mesmo os pobres devem ter uma parte na apresentação das ofertas a Deus. Devem ser participantes da graça de Cristo em negar o eu para ajudar aqueles cuja necessidade é mais premente que a deles próprios. Por que se há de negar aos santos pobres a bênção de dar para ajudar os que são ainda mais pobres que eles mesmos? A obra de educar o povo ao longo dessa linha de conduta tem sido negligenciada, e as igrejas têm deixado de dar para as necessidades das igrejas mais pobres, e assim a bênção que lhes pertenceria tem sido retida, e retida será até que adquiram o senso de sua negligência. Review and Herald, 4 de setembro de 1894.

<< Capítulo Anterior Próximo Capítulo >>