Livro - Vida de Jesus | Ellen G. White Books

Vida de Jesus

CAPÍTULO 29

A Ascensão Triunfal

VJ - Pag. 167  

A Ascensão

A obra terrestre de Jesus estava concluída. Havia chegado o tempo de regressar ao lar celestial. Ele vencera e devia agora tomar Seu lugar ao lado do Pai no trono de luz e glória.

Jesus escolheu o Monte das Oliveiras como o lugar de Sua ascensão. Acompanhado dos onze, dirigiu-se ao Monte. Os discípulos, porém, não sabiam que esse seria o último contato com o Mestre. Durante o trajeto, Jesus lhes deu as últimas orientações e, pouco antes de partir, deixou a preciosa promessa a cada um de Seus seguidores:

"Eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século." Mat. 28:20.

Atravessaram o monte para o lado dos arredores de Betânia. Ali pararam e os discípulos se juntaram ao redor do Mestre. Raios de luz pareciam emanar de Seu rosto quando os contemplou com amor. As últimas palavras do Salvador foram repletas do mais profundo sentimento de ternura.


VJ - Pag. 169  

Com as mãos estendidas para abençoar, lentamente começou a subir. Os discípulos maravilhados, esforçavam a visão para não perder a imagem que desaparecia nas alturas. Uma nuvem de glória arrebatou-O da vista de todos. Ao mesmo tempo, a mais bela e harmoniosa melodia cantada pelo coro angelical encheu o ar. Eles se voltaram e viram dois mensageiros celestes que lhes disseram:

"Varões galileus, por que estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao Céu virá do modo como O vistes subir." Atos 1:11.

Esses anjos pertenciam ao exército que tinha vindo para acompanhar o Salvador ao lar celestial. Demonstrando amor e simpatia pelos que ficavam, eles permaneceram ali mais um pouco para assegurá-los de que a separação não duraria para sempre.

Um Amigo nos Céus

Quando os discípulos retornaram a Jerusalém, as pessoas os olhavam com surpresa. Depois do julgamento e crucifixão de seu Mestre, pensavam que eles ficariam deprimidos e envergonhados. Seus inimigos esperavam ver em seu rosto uma expressão de tristeza e derrota. Ao invés disso, havia apenas alegria e triunfo. Em suas faces transparecia uma felicidade sobrenatural. Não lamentavam suas esperanças frustradas, mas sentiam-se cheios de louvor e gratidão a Deus.

Com júbilo, contaram a maravilhosa história da ressurreição de Cristo e de Sua ascensão ao Céu e muitos receberam esse testemunho. Os discípulos não precisavam mais duvidar do futuro,


VJ - Pag. 170  

pois sabiam que o Salvador estava no Céu e que Seus cuidados os acompanhariam. Sabiam que Ele estava apresentando diante de Deus os méritos do Seu sangue, mostrando ao Pai Suas mãos e pés traspassados, como uma evidência do preço pago pelos Seus remidos.

Sabiam que Ele voltaria outra vez, com todos os santos anjos, e aguardavam ansiosamente esse evento com grande alegria e saudosa antecipação.

Chegada Triunfal do Rei da Glória

Quando Jesus desapareceu da vista dos discípulos no Monte das Oliveiras, Ele foi recebido por um exército de anjos que veio para acompanhá-Lo com cânticos de alegria e triunfo.

Nos portais da cidade de Deus, anjos incontáveis aguardavam Sua chegada. Ao Cristo Se aproximar dos portões, os anjos que O acompanhavam, em tons de triunfo, dirigem-se aos que se encontram nos portais:

"Levantai, ó portas, as vossas cabeças;

levantai-vos, ó portais eternos,

para que entre o Rei da Glória."

Os anjos que esperam nas portas perguntam:

"Quem é o Rei da Glória?"

Eles fazem essa pergunta, não porque não sabem que Ele é, mas porque desejam ouvir a resposta em exaltação e louvor:

"O Senhor, forte e poderoso,

O Senhor, poderoso nas batalhas.

Levantai, ó portas, as vossas cabeças;

Levantai-vos, ó portais eternos,

Para que entre o Rei da Glória."

Novamente, os anjos que aguardam perguntam:

"Quem é esse Rei da Glória?"

E a escolta de anjos responde em acordes melodiosos:

"O Senhor dos Exércitos,

Ele é o Rei da Glória." Sal. 24:7-10.


VJ - Pag. 171  

Então os portais se abrem completamente e a multidão de anjos entra na cidade de Deus em majestosa marcha. A mais enlevada música irrompe em belas e melodiosas antífonas de louvor. Toda a hoste angelical aguarda para honrar seu Comandante. Esperam que Ele tome o Seu lugar no trono do Pai.

Mas Jesus ainda não pode receber o diadema de glória e as vestes reais pois precisa apresentar diante do Pai um pedido em relação aos Seus escolhidos na Terra. Não pode aceitar as honrarias até que, diante do universo celestial, Sua igreja seja justificada e aceita.

Pede para que onde Ele esteja, Seu povo possa estar. Se Ele for honrado, eles devem partilhar a honra com Ele. Os que sofrem com Ele na Terra, devem reinar com Ele em Seu reino.

Por esse propósito, Cristo intercede por Sua igreja. Identifica Seus interesses com os do Seu povo e com amor e constância mais fortes do que a morte, advoga os direitos e títulos comprados com Seu sangue.

A resposta do Pai a esse apelo segue adiante na proclamação: "E todos os anjos de Deus O adorem." Heb. 1:6. Com grande júbilo, os líderes das hostes celestiais adoram o Redentor. Os incontáveis exércitos de anjos prostram-se diante dEle, e as cortes do Céu ecoam e tornam a ecoar com um brado de alegria:

"Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor." Apoc. 5:12.

Os seguidores de Cristo são aceitos no Filho Amado. Na presença dos anjos celestiais, o Pai ratificou


VJ - Pag. 172  

o concerto feito com Cristo de que Ele receberá pessoas arrependidas e obedientes e as amará como ama Seu Filho. Onde o Redentor estiver, os remidos hão de estar.

O Filho de Deus triunfou sobre o príncipe das trevas e venceu a morte e o pecado. O Céu vibra com as vozes harmoniosas que proclamam:

"Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos." Apoc. 5:13.

<< Capítulo Anterior Próximo Capítulo >>