Livro - Vida de Jesus | Ellen G. White Books

Vida de Jesus

CAPÍTULO 28

Paz Seja Convosco

VJ - Pag. 161  

"Paz Seja Convosco!"

No final da tarde daquele mesmo dia da ressurreição, dois discípulos de Jesus seguiam pela estrada de Emaús, pequeno povoado cerca de doze quilômetros de Jerusalém.

Iam perplexos por causa dos últimos acontecimentos e principalmente pelas notícias trazidas pelas mulheres que tinham visto os anjos e Jesus após a ressurreição.

Voltavam para casa a fim de meditar e orar, na esperança de obter alguma luz em relação àquelas questões que lhes pareciam tão obscuras.

À medida que avançavam no caminho, um Estranho aproximou-se e uniu-se a eles na caminhada; porém, iam tão absortos na conversa que mal notaram Sua presença. Tão grande era a aflição e mágoa daqueles homens que iam chorando pelo caminho. O coração compassivo de Jesus viu ali uma tristeza que podia consolar.

Disfarçado de estrangeiro começou a conversar com eles. "Os seus olhos, porém, estavam como que impedidos de O reconhecer.


VJ - Pag. 163  

Então, lhes perguntou Jesus: Que é isso que vos preocupa e de que ides tratando à medida que caminhais? E eles pararam entristecidos. Um, porém, chamado Cleopas, respondeu, dizendo: És o único, porventura, que, tendo estado em Jerusalém, ignoras as ocorrências destes últimos dias? Ele lhes perguntou: Quais? E explicaram: O que aconteceu a Jesus, o Nazareno, que era varão profeta, poderoso em obras e palavras, diante de Deus e de todo o povo." Luc. 24:16-19.

Então lhe contaram o que havia acontecido e repetiram o relato trazido pelas mulheres que haviam estado no túmulo naquela mesma manhã. Disse-lhes então Jesus:

"Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura, não convinha que o Cristo padecesse e entrasse na Sua glória? E, começando por Moisés, discorrendo por todos os profetas, expunha-lhes o que a Seu respeito constava em todas as Escrituras." Luc. 24:25-27.

Os discípulos silenciaram de espanto e alegria. Não se aventuravam a perguntar ao estranho quem era Ele. Ouviam ansiosos enquanto Ele lhes explicava a missão de Cristo.

Base Segura Para a Fé

Se o Salvador tivesse revelado Sua identidade aos discípulos, eles teriam ficado satisfeitos. Na plenitude de sua alegria, nada mais teriam desejado. Mas era-lhes necessário compreender como Sua missão havia sido predita por todos os símbolos e profecias do Antigo Testamento. Deveriam construir a sua fé sobre esses marcos. Cristo não operou nenhum milagre para convencê-los,


VJ - Pag. 164  

mas seu primeiro trabalho foi explicar-lhes as Escrituras. Eles haviam considerado Sua morte como a destruição de todas as suas esperanças. Agora, Cristo lhes mostrava, partindo dos profetas, que isso era a mais forte evidência para sua fé.

Ao ensinar os discípulos, Cristo mostrou-lhes a importância do Antigo Testamento como testemunho de Sua missão. Muitos hoje rejeitam o Antigo Testamento afirmando que ele não é mais necessário; mas esse não é o ensino de Cristo. Deu às Escrituras tanto valor que certa vez declarou:

"Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos." Luc. 16:31.

Ao pôr-do-sol, os discípulos chegaram a sua casa e Jesus "fez menção de passar adiante". Os discípulos, porém, não consentiram em separar-se dAquele que lhes havia trazido tanta alegria e esperança. Então disseram:

"Fica conosco, porque é tarde e o dia já declina. E entrou para ficar com eles." Luc. 24:29.

Reconhecendo o Salvador

Uma refeição simples foi então preparada e Cristo assentou-Se à cabeceira da mesa, conforme era Seu costume. Geralmente cabia ao chefe da família pedir a bênção sobre o alimento; Jesus, porém, pondo as mãos sobre o pão o abençoou. Naquele momento, os olhos dos discípulos se abriram.

O jeito de pedir a bênção, o tom de voz tão familiar, as marcas dos pregos nas mãos, tudo denunciava tratar-se de Seu amado Mestre.

Por um momento, não puderam pronunciar nenhuma palavra; depois, levantaram-se para lançar-se aos pés de Jesus e adorá-Lo; no entanto, Ele desapareceu de repente.


VJ - Pag. 165  

Em sua alegria, esqueceram a fome e o cansaço. Não tocaram na comida e voltaram apressadamente a Jerusalém com a mensagem preciosa do Salvador ressuscitado.

Estavam ainda contando as grandes novas aos seus companheiros, quando o próprio Jesus apresentou-Se entre eles e levantando as mãos para abençoá-los, disse:

"Paz seja convosco!" Luc. 24:36.

No princípio, sentiram medo; mas quando Ele lhes mostrou as mãos e os pés traspassados e comeu diante deles, creram e foram consolados. Fé e alegria, então, substituíram a incredulidade, e com sentimentos que as palavras não podem traduzir, reconheceram o Salvador ressuscitado.

Tomé não estivera presente naquele encontro e se recusava a crer no que diziam a respeito da ressurreição. Oito dias depois, Jesus tornou a aparecer aos discípulos e Tomé estava presente.

Mostrando-lhe os sinais de Sua crucifixão nas mãos e nos pés, o discípulo se convenceu depressa e exclamou: "Senhor meu e Deus meu!" João 20:28.

A Missão

Naquela sala situada no andar superior, Cristo explicou outra vez as Escrituras em relação a Si mesmo. Então disse aos discípulos que o arrependimento e o perdão dos pecados deveria ser proclamado em Seu nome entre todas as nações, começando em Jerusalém.

Antes de subir ao Céu, Ele lhes disse: "mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra." Atos 1:8. "E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século." Mat. 28:20.

Sois testemunhas da Minha vida e do meu sacrifício em favor do mundo, Cristo disse. Todo o que vier a Mim,


VJ - Pag. 166  

confessando seus pecados Eu o receberei. Todo o que quiser, pode se reconciliar com Deus e ter a vida eterna.

A vós, meus discípulos, entrego esta mensagem de graça e misericórdia para ser dada a todas as nações, línguas e povos. Ide aos lugares mais distantes da Terra e sabei que Minha presença irá convosco.

Essa ordem de Jesus, dada aos discípulos, inclui todos os crentes até à consumação dos séculos.

Nem todos podem pregar nas igrejas, mas todos podem ajudar às pessoas individualmente. Os que servem os sofredores, os que ajudam os necessitados, os que confortam os abatidos e que contam aos pecadores a respeito do amor perdoador de Cristo, são Suas testemunhas.

<< Capítulo Anterior Próximo Capítulo >>