Livro - Temperança | Ellen G. White Books

Temperança

Apêndice B - Típicas Palestras Sobre Temperança por Ellen G. White

Te - Pag. 267  

Típicas Palestras Sobre Temperança por Ellen G. White

Em Cristiânia, Noruega, 1886

No domingo, por solicitação do presidente da sociedade de temperança, falei sobre esse assunto. A reunião ocorreu no ginásio militar dos soldados, o maior salão da cidade. Foi colocada sobre o púlpito, à guisa de pálio, a bandeira americana, atenção que apreciei grandemente. Havia umas seiscentas pessoas ali reunidas. Entre elas, um bispo da igreja oficial, com uma porção de clérigos; grande parte da assembléia pertencia à melhor classe da sociedade.

A Maneira de Tratar

Apresentei o assunto do ponto de vista religioso, mostrando que a Bíblia está cheia de histórias referentes à temperança, e que Cristo relacionou-Se com a obra da temperança, já desde o princípio. Foi pela condescendência com o apetite que nossos primeiros pais pecaram e caíram.

Cristo redimiu o fracasso do homem. No deserto da tentação Ele resistiu à prova em que o homem falhara. Enquanto Ele estava a sofrer a mais cruciante tortura da fome, fraco e emagrecido pelo jejum, estava ao lado Satanás com suas múltiplas tentações para assaltar o Filho de Deus, para aproveitar-se de Sua fraqueza e vencê-Lo, impedindo assim o plano da salvação. Cristo, porém, foi firme. Venceu em favor da raça, a fim de podê-los salvar da degradação da queda. Mostrou que, em Seu poder, é possível vencermos. Jesus Se compadece da fraqueza humana; veio à Terra a fim de trazer-nos força moral. Ainda que forte a paixão ou o apetite, é-nos possível


Te - Pag. 268  

ganhar a vitória, porque podemos ter força divina para unir a nossos fracos esforços. Aqueles que fogem para Cristo, terão uma fortaleza no dia da tentação.

A Advertência da História Bíblica

Mostrei a importância dos hábitos temperantes mediante citações de advertências e exemplos da história bíblica. Nadabe e Abiú eram homens que ocupavam posições santas; mas, pelo uso do vinho sua mente ficou tão obscurecida que não puderam distinguir entre as coisas sagradas e as comuns. Por oferecerem "fogo estranho", menosprezaram o mandamento de Deus, e foram mortos por Seus juízos. Por meio de Moisés, o Senhor proibiu expressamente o uso de vinho e bebida forte pelos que deviam ministrar nas coisas santas, para que pudessem "fazer diferença entre o santo e o profano", e pudessem ensinar "os estatutos que o Senhor lhes tem falado". O efeito das bebidas intoxicantes é enfraquecer o corpo, confundir a mente, e rebaixar a moral. Todos quantos ocupavam posições de responsabilidade deviam ser homens estritamente temperantes, a fim de que sua mente fosse clara para discriminar entre o direito e o erro, e assim adquirissem firmeza de princípios, e sabedoria para administrar justiça e mostrar misericórdia.

Esse mandamento direto e solene devia-se estender de geração a geração, até ao fim do tempo. Em nossos salões legislativos e cortes de justiça não menos que em nossas escolas e igrejas, necessitam-se homens de princípios; homens que se dominem a si mesmos, de vivas percepções e juízo são. Se a mente fica nublada ou os princípios são rebaixados pela intemperança, como pode o juiz dar uma justa decisão? Tornou-se incapaz de pesar as evidências ou entrar em estudo crítico; ele não possui força moral para erguer-se acima dos motivos de interesse próprio ou da influência da parcialidade ou do preconceito. E por isso talvez uma vida humana seja sacrificada, ou um inocente privado de sua liberdade ou do seu bom nome que é mais caro que a própria vida. Deus proibiu que aqueles a quem Ele confiou sagrados depósitos como mestres


Te - Pag. 269  

ou governadores do povo se incapacitem assim para os deveres de sua elevada posição.

Instruções a Manoá e a Zacarias

Há lição para os pais nas instruções dadas à mulher de Manoá, e a Zacarias, pai de João Batista. O anjo do Senhor trouxe as novas de que Manoá devia ser pai de um filho que devia libertar a Israel; e, em resposta à ansiosa pergunta: "Como se há de criar o menino, e que fará ele?" o anjo deu especiais direções para a mãe: "De nenhum produto da vinha poderá ela comer, não beba vinho nem bebida que possa embriagar, e não coma cousa alguma imunda. Guarde tudo quanto lhe ordenei." Juí. 13:14. Trad. Brasileira. A criança será afetada, para bem ou mal, pelos hábitos da mãe. Ela própria deve ser controlada por princípios, e precisa observar temperança e abnegação, caso busque o bem-estar de seu filho. E os pais da mesma maneira que as mães são incluídos nessa responsabilidade. Ambos transmitem as próprias características, mentais e físicas, suas disposições e apetites, a seus filhos. Em resultado da intemperança paterna, são os filhos muitas vezes carecidos de força física e de capacidade mental e moral. Os bebedores de bebidas alcoólicas e os amantes do fumo transmitem sua insaciável sede, o sangue inflamado e os nervos irritados em herança a seus descendentes. E como os filhos têm menos poder para resistir à tentação do que o tiveram seus pais, cada geração cai mais baixo que a anterior.

A indagação de cada pai e mãe deve ser: "Que faremos à criança que nos há de nascer?" Muitos são inclinados a tratar esse assunto levianamente, mas o fato de que um anjo do Céu foi enviado àqueles pais hebreus duas vezes com instruções dadas da maneira mais explícita e solene, mostra que Deus o considera de grande importância.

Quando o anjo Gabriel apareceu a Zacarias, predizendo o nascimento de João Batista, foi esta a mensagem que trouxe: Ele "será grande diante do Senhor, e não beberá vinho, nem bebida forte, e será cheio do Espírito Santo". Luc. 1:15.


Te - Pag. 270  

Deus tinha importante obra para o prometido filho de Zacarias; obra que demandaria mente ativa e vigorosa ação. Ele precisava possuir constituição física sã, e resistência mental e moral; e era para assegurar-lhe essas qualificações necessárias que seus hábitos deviam ser cuidadosamente regulados já desde a infância. Os primeiros passos na intemperança são muitas vezes dados na meninice e adolescência; mui diligentes esforços, portanto, devem ser dirigidos no sentido de esclarecer os pais quanto a sua responsabilidade. Os que põem vinho e cerveja em sua mesa estão cultivando nos filhos o apetite para a bebida forte. Insisto em que os princípios de temperança sejam introduzidos em todos os detalhes da vida doméstica; que o exemplo dos pais seja uma lição de temperança; que a abnegação e o domínio próprio sejam ensinados aos filhos e feitos respeitar por eles o quanto possível, mesmo desde o berço.

A Juventude, Base da Sociedade Futura

O futuro da sociedade é indicado pela juventude de hoje. Neles vemos os futuros mestres, legisladores e juízes, os dirigentes e o povo que determinam o caráter e o destino da nação. Quão importante, pois, é a missão dos que devem formar os hábitos e influenciar a vida da geração nascente Lidar com a mente é a maior obra que já foi confiada a homens. O tempo dos pais é demasiado valioso para ser gasto na satisfação do apetite ou na perseguição de riquezas ou das modas. Pôs-lhes Deus nas mãos a preciosa juventude, não somente para ser preparada para um lugar de responsabilidade nesta vida, mas para as cortes celestes. Cumpre-nos manter em vista a vida futura, e trabalhar de maneira que, ao chegarmos às portas do Paraíso, possamos dizer: "Eis-me aqui, com os filhos que me deu o Senhor." Isa. 8:18.

Mas no trabalho de temperança há deveres que recaem sobre os jovens, os quais ninguém pode fazer por eles. Ao passo que os pais são responsáveis pelo cunho de caráter bem como


Te - Pag. 271  

quanto à educação e preparo que dão a seus filhos e filhas, ainda permanece verdade que nossa posição e utilidade no mundo dependem, em alto grau, de nossa própria conduta.

Daniel, um Nobre Exemplo

Em parte alguma encontraremos ilustração mais compreensiva e eloqüente da verdadeira temperança e das bênçãos que a acompanham do que na história do jovem Daniel e seus companheiros na corte de Babilônia. Quando eles foram escolhidos para ser instruídos nas letras e na língua dos caldeus, para "viverem no palácio do rei", este lhes determinou "a ração de cada dia, da porção do manjar do rei, e do vinho que ele bebia". Dan. 1:4 e 5. "E Daniel assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, nem com o vinho que ele bebia." Dan. 1:8. Não somente esses jovens recusaram beber o vinho do rei, mas abstiveram-se das iguarias de sua mesa. Obedeceram à lei divina, tanto a natural como a moral. A seus hábitos de renúncia aliavam-se a sinceridade de propósito, a diligência e a firmeza. E os resultados manifestam a sabedoria de sua orientação.

Deus honra sempre o direito. Os jovens mais promissores de todas as terras sujeitadas pelo grande conquistador, haviam-se reunido em Babilônia; todavia entre todos eles, os cativos hebreus não tinham rival. A figura ereta, o passo firme e flexível, o semblante sereno, mostrando a pureza do sangue, os sentidos não embotados, o hálito incontaminado - tudo era testemunho dos bons hábitos, insígnia de nobreza com que são honrados pela Natureza aqueles que são obedientes a suas leis. E quando sua capacidade e suas aquisições foram provadas pelo rei ao fim daqueles três anos de preparo, nenhum foi achado "como Daniel, Hananias, Misael e Azarias". Sua pronta percepção, sua linguagem escolhida e correta, seus extensos e variados conhecimentos, testificaram do equilíbrio de resistência e do vigor de suas faculdades mentais.


Te - Pag. 272  

A história de Daniel e seus companheiros foi registrada nas páginas da Palavra Inspirada para benefício da juventude de todos os séculos que se sucedessem. Todos os que quisessem conservar equilibradas suas faculdades para o serviço de Deus, precisariam observar estrita temperança no uso de todas as Suas generosas dádivas, bem como abstinência total de todas as satisfações prejudiciais ou vis. O que homens têm feito, homens podem fazer. Ficaram aqueles nobres hebreus firmes em meio de grande tentação, e deram nobre testemunho em favor da verdadeira temperança? A juventude de hoje pode dar testemunho semelhante, mesmo sob circunstâncias assim desfavoráveis. Oxalá fossem eles estimulados pelo exemplo daqueles jovens hebreus; pois todos quantos quiserem podem, como eles, fruir o favor e as bênçãos de Deus.

Dinheiro Bem Empregado

Há ainda outro aspecto da questão da temperança, que devia ser cuidadosamente considerado. Não somente é o uso de estimulantes contrários à natureza, desnecessário e pernicioso, como é extravagante e esbanjador. Uma soma imensa é assim dissipada a cada ano. O dinheiro gasto com fumo sustentaria todas as missões do mundo; os meios mais do que desperdiçados com bebidas fortes, educariam a juventude ora sendo levada pela corrente para uma vida de ignorância e de crime, e prepará-la-ia para realizar nobre serviço para Deus. Milhares e milhares de pais existem que gastam seu ordenado na satisfação do próprio eu, roubando a seus filhos o alimento e a roupa, bem como os benefícios da educação. E multidões de professos cristãos estimulam essa prática mediante seu exemplo. Que prestação de contas será feita a Deus por tais desperdícios de Suas bênçãos?

O dinheiro é um dos dons a nós confiados para alimentar o faminto, vestir o nu, atender ao aflito, e transmitir o evangelho aos pobres. Como, porém, é tal obra negligenciada Quando o Senhor vier para ajustar as contas com Seus servos, não dirá a muitos: "Quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a Mim"? Mat. 25:45. Em todo o nosso redor há trabalho


Te - Pag. 273  

a fazer para Deus. Nossos meios, nosso tempo, nossas forças e influências, são necessários. Lançaremos nós mãos dessa obra, e viveremos para glorificação de Deus e bênção a nosso semelhante? Edificaremos o reino de Deus na Terra?

Há necessidade agora de homens como Daniel - homens que possuam a abnegação e a coragem de ser decididos reformadores de temperança. Cuide cada cristão de que seu exemplo e influência estejam do lado da reforma. Sejam os ministros do evangelho fiéis em fazer soar ao povo as advertências. E lembrem-se todos de que nossa felicidade em dois mundos depende do justo aproveitamento de um deles. Historical Sketches of S.D.A. Foreign Missions, págs. 207-211.

Uma Palestra Acerca da Temperança - 1891

Satanás foi o primeiro rebelde no Universo, e sempre, desde sua expulsão do Céu, tem estado em busca de tornar todo membro da família humana apóstata de Deus, assim como ele próprio. Ele fez seus planos para arruinar o homem, e mediante ilícita satisfação do apetite, levou-o a transgredir os mandamentos de Deus. Tentou Adão e Eva a participarem do fruto proibido, efetuando-lhes assim a queda, e sua expulsão do Éden. Quantos dizem: "Se eu estivesse no lugar de Adão, nunca haveria transgredido numa prova tão simples." Vós, que assim vos jactais, porém, tendes grande oportunidade de mostrar vossa força de propósitos, vossa fidelidade aos princípios sob prova. Prestais obediência a todo mandamento de Deus? Não vê Deus nenhum pecado em vossa vida?

Quem dera que a queda de Adão e Eva houvesse sido a única! Mas desde a perda do Éden até aos nossos dias, tem havido uma sucessão de quedas. Satanás planejou arruinar o homem desviando-o da lealdade aos mandamentos de Deus, e um de seus mais bem-sucedidos métodos é o de tentá-lo a satisfazer o apetite pervertido. Vemos por toda parte sinais da intemperança do homem. Em nossas cidades e vilas acha-se


Te - Pag. 274  

um bar em cada esquina, e vemos no semblante de seus freqüentadores a terrível obra de ruína e destruição. Por todo lado, busca Satanás seduzir os jovens para a vereda da perdição; e, se consegue uma vez levar-lhes os pés para esse caminho, incita-os avante em sua carreira descendente, levando-os de uma à outra dissipação, até que suas vítimas perdem a sensibilidade de consciência, não mais tendo diante dos olhos o temor de Deus. Exercem cada vez menos domínio próprio. Ficam habituados ao uso do vinho e do álcool, do fumo e do ópio, e vão de um a outro estágio de desonra. São escravos do apetite. O conselho que uma vez respeitavam, aprendem a desprezar. Tomam uma atitude jactanciosa, e gabam-se de liberdade quando se acham servos da corrupção. Têm por liberdade o serem escravos do apetite e da licenciosidade egoístas e baixos.

Prossegue o Conflito

Grande conflito está em andamento no mundo. Satanás está decidido a ter sob sua sujeição a raça humana, mas Cristo pagou preço infinito para que o homem seja redimido do inimigo, e para que a imagem moral de Deus seja restaurada na raça caída. Instituindo o plano da salvação, tornou Deus manifesto que Ele avalia o homem em preço infinito; Satanás, porém, está buscando anular esse plano impedindo o homem de satisfazer as condições em que é proporcionada a salvação.

Quando Cristo começou Seu ministério, curvou-Se nas margens do Jordão, e dirigiu ao Céu uma petição em favor da raça humana. Ele fora batizado por João, e os céus se abriram, o Espírito de Deus, em forma de pomba, circuncidou-O, e ouviu-se do Céu uma voz que dizia: "Este é Meu Filho amado, em quem Me comprazo." Mat. 17:5. A oração de Cristo por um mundo perdido foi ouvida, e todos quantos nEle crêem são aceitos no Amado. Homens caídos podem, por meio de Cristo, encontrar acesso ao Pai, podem ter graça para habilitá-los a ser vencedores mediante os méritos do Salvador crucificado e ressuscitado.


Te - Pag. 275  

O Significado da Vitória de Cristo

E pelo Espírito foi Jesus, depois de Seu batismo, levado ao deserto. Ele tomara sobre Si a humanidade, e Satanás gabava-se de que O havia de vencer, como vencera os homens fortes dos séculos passados, e assediou-O com as tentações que haviam causado a queda do homem. Era neste mundo que se deveria decidir o grande conflito entre Cristo e Satanás. Caso o tentador lograsse vencer Cristo num ponto sequer, o mundo teria de ser deixado a perecer. Satanás teria poder de ferir a cabeça do Filho de Deus; a semente da mulher, porém, devia ferir a cabeça da serpente: Cristo devia fazer malograr o príncipe das potestades das trevas. Por quarenta dias jejuou Cristo no deserto. Para que foi isto? Havia acaso qualquer coisa no caráter do Filho de Deus que demandasse tão grande humilhação e sofrimento? Não, Ele era inocente. Toda essa humilhação e terrível agonia foram sofridas por amor do homem caído, e jamais poderemos compreender o ofensivo caráter do pecado de satisfazer o apetite pervertido a não ser que compreendamos o sentido espiritual do longo jejum do Filho de Deus. Jamais poderemos compreender a força e servidão do apetite enquanto não discernirmos o caráter do conflito do Salvador no vencer a Satanás, colocando assim o homem em terreno vantajoso, onde, pelos méritos do sangue de Cristo, Ele pode ser capaz de resistir às potestades das trevas, vencendo em seu próprio benefício.

Depois do longo jejum, Cristo estava extenuado pela fome, e, em Sua fraqueza, Satanás atormentou-O com as mais ferozes tentações. "E disse-Lhe o diabo: Se Tu és o Filho de Deus, dize a esta pedra que se transforme em pão." Luc. 4:3. Satanás apresentou-se como mensageiro de Deus, alegando que Deus vira a voluntariedade do Salvador para colocar-Se na senda da abnegação, e não era exigido dEle sofrer mais humilhação e dor, mas que podia ser liberto do terrível conflito que se achava


Te - Pag. 276  

diante dEle como o Redentor do mundo. Tentou persuadi-Lo de que Deus tinha em vista apenas provar-Lhe a fidelidade, que agora Sua lealdade estava plenamente manifesta, e que estava na liberdade de usar Seu poder divino para satisfazer Suas necessidades. Cristo, porém, discerniu a tentação, e declarou: "Escrito está que nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra de Deus." Luc. 4:4.

Quando tentado para ilícita satisfação do apetite, deveis lembrar o exemplo de Cristo, e permanecer firme, vencendo como Ele venceu. Deveis responder, dizendo: "Assim diz o Senhor", e dessa maneira liquidar para sempre a questão com o príncipe das trevas. Se parlamentardes com a tentação, e usardes vossas próprias palavras, sentindo-vos suficientes, cheios de importância, sereis vencidos. As armas que Cristo usou foram as palavras de Deus: "Está escrito"; e se manejardes a espada do Espírito, também vós podereis sair vitoriosos pelos méritos de vosso Redentor.

Satanás Mais Bem-Sucedido com o Homem

As três tentações principais por que o homem é assediado, foram resistidas pelo Filho de Deus. Ele recusou ceder ao inimigo no ponto do apetite, da ambição, e do amor do mundo. Mas Satanás é mais bem-sucedido quando assalta o coração humano. Induzindo os homens a ceder a suas tentações, pode obter domínio sobre eles. E por nenhuma espécie de tentações consegue ele maior êxito do que mediante as dirigidas contra o apetite. Caso ele possa reger o apetite, regerá o homem todo.

Há unicamente dois poderes que dominam a mente dos homens - o poder de Deus e o de Satanás. Cristo é o Criador e Redentor do homem; Satanás é seu inimigo e seu destruidor. Aquele que se entregou a Deus edificar-se-á para a glória de Deus, no corpo, na alma e no espírito. O que se entregou ao controle de Satanás subjuga-se a si mesmo. Muito homem vende a razão por um copo de bebida alcoólica, e torna-se uma ameaça a sua família, sua vizinhança e seu país. Seus filhos escondem-se quando ele volta para casa, e sua desalentada


Te - Pag. 277  

esposa teme encontrar-se com ele, pois sua saudação a ela são golpes cruéis. Gasta o dinheiro em bebida forte, enquanto os filhos e a esposa sofrem necessidades.

Satanás leva as vítimas do apetite a atos de violência. O bebedor de álcool é homem de paixões vigorosas e facilmente provocáveis, e qualquer desculpa trivial é tornada causa de rixa; e quando sob a influência da paixão, o bêbado não poupará seu melhor amigo. Quantas vezes ouvimos falar de homicídio e atos de violência, e verificamos que a origem principal é o hábito da bebida!

Bebidas Brandas

Há pessoas que professam ser defensoras da temperança, e que ainda condescendem com o uso do vinho e da sidra, alegando que esses estimulantes são inofensivos, e mesmo salutares. É assim que muitos dão o primeiro passo na vereda da embriaguez. Produz-se tão verdadeiramente a intoxicação pelo vinho e a sidra, como pelas bebidas mais fortes, e essa é a pior qualidade de embriaguez. As paixões são mais perversas; a transformação de caráter é maior, mais determinada e obstinada. Alguns copos de sidra ou de vinho podem despertar o gosto das bebidas mais fortes, e em muitos casos os que se tornaram bêbados inveterados lançaram assim a base do hábito de beber.

Não é absolutamente seguro, para as pessoas que herdaram a sede dos estimulantes, terem vinho e sidra em casa; pois Satanás os está continuamente solicitando a satisfazer seu desejo. Caso elas cedam à tentação, não saberão onde parar; a sede exige satisfação, e é atendida para ruína delas. O cérebro fica obscurecido, a razão deixa de manter as rédeas, e deixa-as ao capricho da concupiscência. Avoluma-se a licenciosidade, e vícios de toda espécie são praticados em resultado da condescendência com a sede de vinho e de sidra. Impossível é à pessoa que ama esses estimulantes e se habitua a usá-los, crescer em graça. Ela se torna grosseira e sensual; as paixões animais regem as faculdades superiores da mente, e a virtude não mais é cultivada.


Te - Pag. 278  

O beber moderado é a escola em que os homens se educam para a carreira do ébrio. Tão gradualmente Satanás conduz para longe da fortaleza da temperança, tão traiçoeiramente exercem o vinho e a sidra sua influência no gosto, que entram na senda da embriaguez sem o suspeitar. É cultivado o gosto pelos estimulantes; desorganiza-se o sistema nervoso; Satanás mantém a mente numa febre de desassossego; e a pobre vítima, imaginando-se perfeitamente segura, vai mais e mais adiante, até que se rompem todas as barreiras, sendo sacrificados todos os princípios. São difundidas as mais fortes resoluções, e os interesses eternos são demasiado fracos para conter o vil apetite sob o controle da razão. Alguns nunca ficam realmente bêbados, mas encontram-se sempre sob a influência dos intoxicantes brandos. Estão febris, instáveis de mente, não propriamente delirantes, mas positivamente desequilibrados; pois as mais nobres faculdades da mente são pervertidas.

Também o Fumo

Também os que usam o fumo estão enfraquecendo suas faculdades físicas e mentais. O uso do fumo não tem fundamento na natureza. Esta rebela-se contra esse narcótico, e quando o que o usa a princípio procura forçar esse hábito fora do natural em seu organismo, trava-se renhido conflito. O estômago, e em verdade todo o organismo, revoltam-se contra a abominável ação, mas o malfeitor persevera até que a natureza desiste da luta, e o homem se torna escravo do fumo.

Fosse a salvação oferecida ao homem em termos tão duros de suportar, Deus seria considerado como um senhor inclemente. Satanás é um senhor desapiedado, e requer que seus súditos sofram provas rigorosas, e se tornem escravos da paixão e do apetite; Deus, ao contrário, é coerente em todas as Suas reivindicações, e pede de Seus filhos apenas aquilo que agirá em favor de sua felicidade presente e eterna.

"Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a Ele servirás." Mat. 4:10. Este é o mandamento de Deus, e todavia quantos, mesmo dos que


Te - Pag. 279  

professam ser Seus servos, são devotos do fumo, e dele fazem um ídolo Quando os homens deviam estar ao ar livre, com hálito puro, louvando a Deus por Seus benefícios, estão poluindo a atmosfera com a fumaça do cachimbo ou do cigarro. Precisam passar pela prova do fumo a fim de estimular os pobres nervos relaxados como preparo para os deveres do dia; pois se não tivessem seu fumo, ficariam irritados e incapazes para controlar os pensamentos.

Sem Fumo

Como ilustração da incapacidade dos fumantes para dominar seus sentidos quando sem esse estímulo, relatarei uma ocorrência que me veio ao conhecimento. Um senhor idoso que foi outrora meu vizinho, era um grande fumante; certa manhã, porém, não fumara como de costume, ao entrar eu em sua casa para apanhar um livro que lhe emprestara. Em vez de ir buscar o livro que eu pedia, ele me entregou um freio. Em vão procurei fazê-lo compreender o que eu queria; tive de ir-me embora sem o livro. No dia seguinte, fui outra vez, e fiz o mesmo pedido, e ele imediatamente me passou o livro. Perguntei-lhe então por que não me entregara o livro na véspera. Ele disse: "Como, a senhora esteve aqui ontem? Não me lembro. Ah, já sei qual foi a dificuldade - eu não fumara!" Eis o efeito causado em sua mente quando ele estava sem o estimulante. Seu médico lhe dissera que devia deixar de usá-lo, do contrário, não poderia viver. Ele o abandonou, mas toda a sua vida daí em diante sofreu o constante anseio do costumado estímulo; tinha de travar contínua batalha.

Quando já contava noventa anos, foi visto um dia a procurar alguma coisa. Ao perguntarem-lhe que queria, respondeu: "Eu estava procurando meu fumo." Sofria sem ele, e todavia haveria sido a morte para ele, continuar a usá-lo.

Um Meio de Livramento

Deus requer que Seus filhos se mantenham livres de hábitos tão fora do natural, tão desastrosos. Quando o homem se acha ligado a essas cadeias,


Te - Pag. 280  

porém, não há nenhum meio de escape? Sim, o Senhor Jesus morreu a fim de que, mediante os méritos de Sua vida e morte, possam os homens ser vencedores. Ele também é capaz de salvar perfeitamente aos que por Ele se chegam a Deus. Veio à Terra de modo a poder aliar o poder divino com o esforço humano, e pela cooperação com Cristo, pondo a vontade de lado de Deus, o escravo pode ficar livre, e ser herdeiro de Deus e co-herdeiro com Cristo.

Sensibilidades Morais Embotadas Pelo Vinho

Nos dias de Israel, quando foi instituído o serviço do santuário, o Senhor instruiu de que só fogo sagrado devia ser empregado para queimar o incenso. O fogo sagrado fora ateado pelo próprio Deus, e o suave aroma representava as orações do povo ao ascenderem perante Deus. Nadabe e Abiú eram sacerdotes do santuário, e se bem que não fosse lícito usar fogo comum, esses sacerdotes, ao irem à presença de Deus, tiveram a presunção de acender seu incenso com fogo não consagrado. Os sacerdotes haviam estado a condescender com o uso do vinho, e suas sensibilidades morais foram embotadas; não discerniram o caráter de suas ações, nem avaliaram o que seriam as terríveis conseqüências de seu pecado. Um fogo acendeu-se do santo dos santos, e consumiu-os.

Depois da destruição de Nadabe e Abiú, o Senhor falou a Arão, dizendo: "Vinho nem bebida forte tu e teus filhos contigo não bebereis, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais: estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações; e para fazer diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo, e para ensinar aos filhos de Israel todos os estatutos que o Senhor lhes tem falado pela mão de Moisés." Lev. 10:9 e 10. Os sacerdotes e juízes de Israel deviam ser homens de estrita temperança, para que sua mente fosse clara para discriminar entre o direito e o erro, para que possuíssem firmeza de princípios, e sabedoria para administrar juízo e mostrar misericórdia.

Se os Homens Fossem Estritamente Temperantes


Te - Pag. 281  

Que aperfeiçoamento haveria em nossa terra se essas ordens fossem cumpridas, se homens em posições sagradas e judiciais vivessem por toda palavra que sai da boca de Deus! Não sabe o Senhor, que fez o homem, o que é melhor para ele, o que é mais adequado a seus interesses espirituais e eternos? Deus trabalha para o máximo bem de Suas criaturas. Se os homens fossem estritamente temperantes, não teríamos a décima parte das mortes que temos, e os sofrimentos físicos e mentais seriam grandemente diminuídos. Haveria incomparavelmente menos acidentes em terra e mar. É porque o homem quer fazer o que lhe apraz em vez de se submeter aos mandos de Deus, que há tanto mal no mundo.

Deus nos deu leis pelas quais viver, mas hoje, como nos dias de Noé, a imaginação do coração do homem é má e só má continuamente; os homens andam segundo os desejos e invenções de seu coração, cavando assim a própria ruína. Deus quereria que os homens permanecessem na varonilidade que lhes foi dada por Ele, livres da servidão dos apetites.

Como podem os homens confiar nas decisões de jurados habituados ao uso de bebidas alcoólicas e do fumo? Se eles são chamados a decidir num importante caso quando privados de seus estimulantes habituais, não podem exercer a mente de maneira sã; não se encontram em condições de fazer julgamento inteligente; e de que valeria sua decisão?

Os homens que ocupam posições de responsabilidade devem ser homens de temperança e integridade, e especialmente devem aqueles a quem são confiadas funções judiciais, ser homens de hábitos sóbrios, para que possam fazer justiça, sem que sua parcialidade seja prejudicada por suborno ou preconceito. Quão vastamente diversa, porém, é a condição de nossos negócios judiciais e governamentais daquela que seria possível ser mediante a obediência aos mandamentos de Deus! Bebidas, fumo, baixa moral, levam os homens a tratar traiçoeiramente com seu semelhante.

Tentação de Todo Lado

Há de todo lado tentações para nossos rapazes, bem como para os amadurecidos.


Te - Pag. 282  

Tanto na América do Norte como na Europa, os lugares de vício e destruição são tornados atrativos por exibições e música, para que pés incautos sejam levados à armadilha. Tudo quanto é possível se faz no intuito de seduzir os jovens para esses lugares. Que se fará para salvar nossa juventude? Cristo fez imenso sacrifício, tornou-Se pobre para que, mediante Sua pobreza enriquecêssemos e tivéssemos a vida que corre paralela à vida de Deus, e havemos nós de não fazer nenhum sacrifício para salvar aqueles que se estão arruinando ao redor de nós? Que estamos nós fazendo pela causa da temperança, para salvar hoje a nossos jovens? Quem se encontra ao lado de Cristo, como cooperador de Deus?

Pais, estais vós ensinando vossos filhos a vencer? Estais buscando rechaçar a onda de mal que ameaça avassalar nossa terra? Mães, estais fazendo vossa obra como educadoras? Estais ensinando a vossos filhos, em sua infância, hábitos de domínio próprio e de temperança? Não espereis até que a paixão os segure em suas férreas ligaduras, mas levai-os a Deus agora, ensinai-lhes que Jesus os ama, que o Céu tem direitos sobre eles. Ponde, na juventude, suas mãos nas mãos de Cristo, para que Ele os possa guiar para cima. Mães, despertai para vossas responsabilidades morais, e trabalhai por vossos filhos como quem tem de por eles dar contas. Cumpre-nos fazer alguma coisa para deter a onda do mal, para que as crianças e os jovens não sejam arrebatados para a perdição. Precisamos ser vencedores, e ensinar nossos filhos a vencer.

Cristo Venceu em Nosso Favor

No deserto da tentação, passou Cristo pelo terreno em que Adão caiu. Iniciou Sua obra onde começou a ruína, e no ponto do apetite venceu Ele o poder do maligno em nosso favor. Satanás deixou o campo como inimigo vencido, e ninguém é escusado de entrar na batalha ao lado do Senhor, pois não há razão por que o homem não seja vencedor se confiar em Cristo. "A quem vencer lhe concederei que se assente comigo no Meu trono; assim como Eu venci, e Me assentei com Meu Pai no Seu trono." Apoc. 3:21.


Te - Pag. 283  

Pelos méritos de Cristo devemos ser purificados, refinados, redimidos, sendo-nos dado um lugar com Ele em Seu trono. Poderia a um homem ser conferida maior honra que esta? Poderíamos nós aspirar coisa maior? Se formos vencedores, declara Cristo: "De maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de Meu Pai e diante dos Seus anjos." Apoc. 3:5. Signs of the Times, 22 e 29 de junho, e 6 de julho de 1891.

Em Sydney, Austrália - 1893

"E como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem. Comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos. Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos. Assim será também no dia em que o Filho do homem se há de manifestar." Luc. 17:26-30. Ora, sabemos que a intemperança se encontra por toda parte em nosso mundo. Não há pecado em comer e beber para manter-nos fisicamente, e em fazer aquilo que é para nosso bem espiritual. Mas, quando perdemos de nossos cálculos a eternidade, e levamos essas coisas necessárias ao excesso, então entra o pecado. Vemos por toda parte tal crime, tal iniqüidade Não é tempo de começarmos a considerar quanto a nós mesmos? Temos almas a salvar ou a perder. Deus criou nossos primeiros pais e colocou-os no Paraíso. Ele fez apenas uma restrição. "Do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais." Gên. 3:3. Eles perderiam a vida, se não obedecessem à restrição.

Satanás é representado pela serpente. O tentador está em toda parte, de todo lado, e quando Deus diz não, qual é o resultado? Em muitos casos em lugar de obedecer à voz da


Te - Pag. 284  

advertência, escutam à do tentador. E em vez de todas as atrações que Satanás apresenta, elas encerram infortúnio e miséria. Adão e Eva haviam recebido tudo quanto requeriam suas necessidades, mas ouviram ao tentador e desobedeceram a Deus.

Quando Deus veio inquirir de Adão, ele lançou a culpa sobre Eva. Deus disse: "E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente: esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." Gên. 3:15. O inimigo não vos pode tocar a menos que lho permitais. Mas aqui está a inimizade que Deus pôs contra a serpente. Não há inimizade entre os homens maus e os anjos, mas há inimizade entre os que servem ao Senhor e os exércitos das trevas.

Questão Muito Importante

A questão da temperança é de enorme importância para cada um de nós. É de vasto alcance. Falei vinte e uma vezes sucessivas sobre esse tema, e apenas o toquei. Aqui, porém, devemos tratar apenas de algumas idéias. Quando este primeiro sermão evangélico foi proferido no Éden pelo próprio Deus, foi como uma estrela de esperança para iluminar o negro futuro, desolador. O par no Éden não devia ser deixado a uma ruína sem esperança.

Quando Cristo veio a nosso mundo como uma criancinha em Belém, os anjos cantaram: "Glória a Deus nas alturas, paz na Terra, boa vontade para com os homens." Luc. 2:14. "E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo: pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor." Luc. 2:10 e 11.

Satanás com toda a sua sinagoga - pois Satanás professa ser religioso - determinaram que Cristo não devia executar os conselhos do Céu. Depois de Cristo ser batizado, curvou-Se nas margens do Jordão; e nunca antes ouvira o Céu tal oração como a que saiu de Seus lábios divinos. Cristo tomou sobre Si nossa natureza. A glória de Deus, em forma de uma pomba de ouro polido, pousou por sobre Ele e, da infinita glória, foram ouvidas estas palavras: "Este é o Meu Filho amado, em quem Me comprazo." Mat. 3:17.


Te - Pag. 285  

A raça humana acha-se circundada pelo braço humano de Cristo, ao passo que com o braço divino Ele segura o trono do Infinito. A oração de Cristo fendeu as trevas e penetrou aonde está Deus. Isto quer dizer, para cada um de nós, que o Céu se nos acha aberto. Quer dizer que as portas estão abertas de par em par, que a glória é comunicada ao Filho de Deus e a todos quantos crêem em Seu nome. Nossa petição será ouvida no Céu, assim como Deus respondeu à petição de nosso Penhor, nosso Substituto, o Filho do infinito Deus.

Cristo Experimentou as Três Principais Tentações

Cristo entrou no deserto com o Espírito de Deus sobre Si, para ser tentado pelo diabo. O inimigo devia tentar o Filho de Deus. Cristo foi tentado com as três principais tentações com que o homem é assediado.

"E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto; e quarenta dias foi tentado pelo diabo, e naqueles dias não comeu coisa alguma; e, terminados eles, teve fome. E disse-Lhe o diabo: Se Tu és o Filho de Deus, dize a esta pedra que se transforme em pão. E Jesus lhe respondeu, dizendo: Escrito está que nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra de Deus." Luc. 4:1-4. Ali estava o Filho do infinito Deus, e Satanás veio a Ele como um anjo de luz. Aí tentou-O no ponto do apetite. Cristo estava faminto e em necessidade de alimento. Por que não operou Ele este milagre? Isto não estava no plano de Deus, pois Cristo não devia realizar nenhum milagre em Seu próprio benefício. Em que posição Se achava Ele? Estava passando pelo terreno em que Adão caiu. Adão tinha tudo que sua necessidade exigia. Terrível era a fome de Cristo, e tudo de que precisava era alimento. O diabo foi derrotado nesta tentação.

"Então o diabo O transportou à cidade santa, e colocou-O sobre o pináculo do templo, e disse-Lhe: Se Tu és o Filho de Deus, lança-Te daqui abaixo; porque está escrito: que aos Seus


Te - Pag. 286  

anjos dará ordens a Teu respeito: e tomar-Te-ão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra." Mat. 4:5 e 6. Por que deixou ele fora a outra parte, que diz: "Para Te guardarem em todos os Teus caminhos"? Enquanto Cristo estivesse nos caminhos de Deus, mal algum poderia sobrevir-Lhe. Jesus disse a respeito de Satanás: "e ele nada tem em Mim". Esta tentação de Satanás a Cristo foi uma ousadia. Disse Satanás: "Se" Tu és o Filho de Deus. Que se haveria ganho se Cristo fizesse como Satanás Lhe pedia? Nada. Cristo enfrenta-o com "Está escrito". Mat. 4:10. Satanás viu que nada podia fazer aí.

Agora ele O tenta em outro ponto. Faz passar diante dEle o mundo todo em sua grandeza, e Satanás quer que Cristo Se curve diante dele. Satanás tinha poder sobre toda a família humana. "Novamente O transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-Lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles. E disse-Lhe: Tudo isto Te darei se, prostrado, me adorares." Mat. 4:8 e 9. A divindade irradiou através da humanidade, e Cristo disse: "Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a Ele servirás." Mat. 4:10. Satanás deixou o terreno como inimigo vencido. Nosso Salvador atravessou o campo e saiu vitorioso. Estava desfalecendo no campo de batalha. Não havia um seio em que reclinasse a cabeça, nem mão a Lhe passar na fronte. Anjos vieram e O serviram. Auxílio assim podemos nós reivindicar. Cristo viu que era impossível o homem vencer em seu próprio benefício. Veio para trazer-lhe força moral. Isto é nossa única esperança.

Vitória por Meio de Cristo

Vemos a importância de vencer o apetite. Cristo venceu, e podemos obter vitória como Ele o fez. Ele passou pelo campo, e há vitória para o homem. Que fez Ele pela família humana? Elevou o homem na escala do valor moral. Podemos tornar-nos vitoriosos por meio dEle. Em Cristo, há esperança para o mais desesperançado.


Te - Pag. 287  

"Pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas? nesse caso também vós podereis fazer o bem, sendo ensinados a fazer o mal." Jer. 13:23. "Vinde então, e argüi-Me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve: ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã." Isa. 1:18. Aí temos as ricas promessas de Deus. Para que veio Cristo aqui? Para representar o Pai. Que coração de amor e simpatia Veio para trazer vida eterna, quebrar toda cadeia. Quando Deus deu Seu Filho, deu o Céu inteiro. Não podia dar mais.

O Valor de uma Pessoa

"O Espírito do Senhor JEOVÁ está sobre Mim; porque o Senhor Me ungiu, para pregar boas novas aos mansos: enviou-Me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos." Isa. 61:1. Ele é a única pessoa que tinha poder para fazer isto. Aqui foi pago o grande preço pelas almas imersas no pecado. O homem deve ser de valor. Cristo o valoriza. Tomando a natureza humana, Cristo mostra que dá valor a cada alma. "Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai pois a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus." I Cor. 6:19 e 20. Eis o valor que Deus dá ao homem, e diz ainda: "Farei que um homem seja mais precioso do que o ouro puro, e mais raro do que o ouro fino de Ofir." Isa. 13:12. Deus, porém, não faz nada sem a cooperação do instrumento humano.

Obscurecido Pela Intemperança

"E os filhos de Aarão, Nadabe e Abiú, tomaram cada um o seu incensário, e puseram neles fogo, e puseram incenso sobre ele, e trouxeram fogo estranho perante a face do Senhor, o que lhes não ordenara. Então saiu fogo de diante do Senhor, e os consumiu; e morreram perante o Senhor. E disse Moisés a Aarão: Isto é o que o Senhor falou, dizendo: Serei santificado naqueles que se


Te - Pag. 288  

cheguem a Mim, e serei glorificado diante de todo o povo. Porém Aarão calou-se." Lev. 10:1-3. "E falou o Senhor a Aarão, dizendo: Vinho nem bebida forte tu e teus filhos contigo não bebereis, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais: estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações; e para fazer diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo." Lev. 10:8-10. A mente de Nadabe e Abiú estava obscurecida por causa da intemperança, e em lugar de tomar o fogo que Deus lhes havia ordenado, tomaram fogo comum, e Deus destruiu-os. Houvessem eles se conservado livres de vinho, e haveriam distinguido a diferença entre o sagrado e o profano. Foram, porém, diretamente em contrário ao mandado de Deus.

Causa de Acidentes

Lemos de desastres com veículos, e qual é a causa? Em muitos, muitos casos, alguém tinha a mente obscurecida por bebida intoxicante. Não sentiu o peso da responsabilidade que sobre ele repousava. Muitas, muitas vidas se têm perdido porque alguém se embriagou. Assim vidas serão debitadas ao homem que pôs a garrafa nos lábios de seu próximo.

Nos tempos antigos, quando um homem possuía um animal bravo, pagava por ele. "E se algum boi escornear homem ou mulher, que morra, o boi será apedrejado certamente, e a sua carne se não comerá; mas o dono do boi será absolvido. Mas se o boi dantes era escorneador, e o seu dono foi conhecedor disso, e não o guardou, matando homem ou mulher, o boi será apedrejado, e também o seu dono morrerá." Êxo. 21:28 e 29.

Ora, queremos levar esse princípio diretamente àqueles que preparam o mortal veneno. Eis a lei que o Deus do Céu deu para regular o que fazer com animais escorneadores. Cristo está procurando salvar, e Satanás destruir. Peço-vos, a vós que tendes faculdades de raciocínio, que penseis nessas coisas. O homem que se acha intoxicado, está privado da razão.


Te - Pag. 289  

Satanás penetra e toma posse dele e o imbui de seu espírito; e seu primeiro desejo é ferir e matar alguns de seus queridos. E todavia os homens permitem que essa coisa maldita prossiga - o que rebaixa os homens mais que os animais. Que obteve o ébrio? Coisa alguma senão um cérebro humano enlouquecido. E aqui as leis são tais que a tentação se encontra sempre diante deles.

Aquele vendedor de bebidas terá de responder por todos os pecados do ébrio, e este terá de dar contas de seus atos. Sua única esperança é lançar sua alma sobre o Salvador crucificado e ressuscitado. "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna." João 3:16. Que diz Cristo? Vós sois cooperadores de Deus". I Cor. 3:9. Cristo veio para devolver ao homem poder moral. Aqui, vemos as paixões humanas destruindo os seres humanos. Ali, está nossa juventude sendo tentada. A mente de muitos está sendo absorvida com jogos e corridas de cavalos. Que Deus nos ajude a despertar.

Os que se acham nos conselhos legislativos não devem beber vinho nem bebida forte. Necessitam de cérebros claros para que possam ter razão penetrante e bem definida. O destino da vida humana está em seu poder, se este ou aquele homem terá a pena de morte, ou receberá outra punição. Ouvimos falar de uma bebedeira nas cortes de justiça. Tiveram eles um cérebro claro e vistas voltadas unicamente para a glória de Deus? A natureza é deformada no homem. Cristo veio para elevar. "Não toques, não proves", devia ser a vossa divisa. Deveis ser temperantes no comer. A bebida, porém, deixai-a em paz. Não toqueis nela. Não pode haver temperança em seu uso. Satanás impeliria para isso a família humana. Cristo veio redimir, elevar o homem, pois tomou sobre Si a nossa natureza.

Começar com as Crianças

Pais, deveis despertar ao dever a vós dado por Deus. Ensinai a obediência a vossos filhos. Muitos perderam o respeito pelo pai e a mãe. Eles terão por seu Pai celestial tanto respeito quanto por seus próprios pais.


Te - Pag. 290  

Ensinai vossos filhos. Dai-lhes lições quando criancinhas em vossos braços. Ao fazerdes isto, anjos se acharão ao vosso redor. Quando aquelas fatigadas mães não sabiam que fazer com seus filhos, pensaram que os deviam levar a Jesus. E ao começar uma mãe, e dizer a outra: "Quero que Jesus abençoe meus filhos", então outra se lhe juntava, e ainda outra, e assim por diante, até que um pequeno grupo foi ter com Jesus com suas crianças. Ao chegarem onde estava Jesus, Ele percebeu o ruído. Sabia quando haviam saído. Jesus Cristo simpatizou com essas mães. Ao levarem elas seus pequeninos a Jesus, Ele disse: "Deixai vir os meninos a Mim, e não os impeçais; porque dos tais é o reino de Deus." Mar. 10:14. Pais, lançai mão do oferecimento; as portas se acham abertas de par em par.

O tom de voz que empregais é um meio de educar vossos filhos. Ninguém jamais conhece todas as dificuldades ocasionadas pelas pequeninas mãos. Mães, existe Alguém que sabe tudo - isto é, o Deus do Céu. Todo dia que cumpris vossos deveres, mães, são escritas ao lado de vossos nomes as palavras "Vencedora por Cristo Jesus". Que barreiras ireis edificar contra a alma desses filhos? Não os ameaceis com a ira de Deus se erram, mas levai-os a Cristo em oração. Fazei vosso lar o mais atrativo possível. Afastai as cortinas, e deixai o Sol, o médico celeste, aí penetrar. Necessitais em vosso lar de paz e sossego. Quereis que vossos filhos tenham um belo caráter. Tornai o lar tão atrativo que eles não queiram ir para o bar. Mostrai-lhes as flores e as folhas das árvores. Dizei-lhes que Deus fez cada haste de relva, e deu às flores seu lindo colorido. Dizei-lhes que aí está a expressão do amor de Deus por vós, que isto é a voz dEle a dizer-vos que vos ama. Manuscrito 27, 1893.

Lares Como o de Abraão

Quereis que vosso lar seja semelhante ao de Abraão. Ele ordenou sua casa depois dele. Ele os ensinou a obedecer aos mandamentos de Deus.


Te - Pag. 291  

Estas são as lições, mães, que deveis ensinar pacientemente a vossos filhos. Não vos podeis permitir gastar tempo estudando as modas do momento. Ensinai-lhes que são propriedade de Cristo. Estamos hoje formando caracteres. Rapazes, moças, estais determinando hoje o vosso futuro. Deixai entrar Cristo. Ele vos guardará das tentações.

O fumo está desarraigando a estrutura de muitos. Está penetrando nos fluidos e nos sólidos do corpo. Temos conhecido habituados ao fumo curados desse hábito repelente. Meu marido e eu fundamos uma clínica de saúde nos Estados Unidos. O testemunho dos que tratavam dos doentes do fumo, era alarmante. Eles contaram dos alarmantes eflúvios nos banhos e nos tratamentos com lençóis. Esses doentes, porém, foram trazidos para uma rocha sólida. Temos visto recuperados muitos que diziam não poder vencer.

Maioria com Deus

Ninguém pode ser inscrito nos livros do Céu sendo um ébrio. Resisti como homem à tentação. Em nome de Jesus Cristo de Nazaré podeis lançar mão do poder divino. Cristo atuará em favor de cada um de vós. É criado o forte desejo do fumo, o qual não tem nenhum fundamento na natureza. Não obstante podeis ganhar a vitória. A maldição de Deus está sobre os que passam o copo aos lábios de seu próximo. Dizeis que estais em minoria. Não é Deus a maioria? Se nos encontramos de Seu lado, dAquele que fez os céus e a Terra, não estamos ao lado da maioria? Temos ao nosso lado anjos magníficos em poder. Fora com as modas deste século degenerado. Irmãs e mães, estais abusando do corpo que Deus vos deu. Que significa, jovens senhoras, esse apertar a cintura, que não dá a vossos pulmões, fígado e órgãos vitais a capacidade que lhes é devida? Vossa futura posteridade testificará contra vós. Como poderia eu falar como tenho feito, se me cingisse como algumas de vós fazeis? Vedes, coisa alguma está comprimindo esses órgãos vitais. Vemos às vezes mulheres que têm algum relatório a ler, e não podem falar alto.


Te - Pag. 292  

Parecem não ter voz. Estão espartilhadas de modo a ter cintura delgada, como se Deus não soubesse como as devia fazer.

O Senhor queria que a mulher de Manoá aderisse a estritos hábitos de temperança. "E o anjo do Senhor apareceu a esta mulher, e disse-lhe: Eis que agora és estéril, e nunca tens concebido; porém, conceberás, e terás um filho. Agora, pois, guarda-te de que bebas vinho, ou bebida forte, ou comas coisa imunda." Juí. 13:3 e 4. O anjo que apareceu a Zacarias e a Isabel, disse: "Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João; e terás prazer e alegria, e muitos se alegrarão no seu nascimento, porque será grande diante do Senhor, e não beberá vinho, nem bebida forte, e será cheio do Espírito Santo." Luc. 1:13-15. Vemos aqui a criança considerada antes do nascimento, e depois dele. Vós, mães, deveis dar valor a essas coisas. Os apetites da mãe são transmitidos aos filhos. Muitos de vós que condescendeis com coisas para satisfazer o apetite, estais tirando os suportes de vossa casa. Homens há que podiam ter tido relatório tão limpo como Daniel. Satanás está jogando as cartas por vossa alma. Precisamos estar livres e limpos das degradações deste mundo. "O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de Meu Pai e diante dos Seus anjos." Apoc. 3:5. Cristo venceu em nosso favor. Podemos vencer, em nome de Jesus Cristo, de Nazaré.

Ao entrarem os remidos pelas portas na cidade, Jesus Cristo dará a todos as boas-vindas, e eles terão harpas de ouro e cantarão para glória de Jesus Cristo e usarão vestes tecidas nos teares do Céu, isentas de qualquer fio de humanidade.

Queremos o Céu, e é intenção de Jesus Cristo que o tenhamos, se com Ele cooperarmos. Manuscrito 27, 1893.

<< Capítulo Anterior