Livro - Atos dos Apóstolos | Ellen G. White Books

Atos dos Apóstolos

CAPÍTULO 53

João, o Discípulo Amado

AA - Pag. 539  

VI. O Ministério de João

João, o Discípulo Amado

João é distinguido dos outros apóstolos como o "discípulo a quem Jesus amava". João 21:20. Parece haver ele alcançado preeminente grau de amizade com Cristo, e recebido muitas provas da confiança e amor do Salvador. Foi ele um dos três a quem se permitiu testemunhar a glória de Cristo sobre o monte da transfiguração e Sua agonia do Getsêmani, e foi a seu cuidado que o Senhor confiou Sua mãe nas últimas horas de angústia sobre a cruz.

A afeição do Salvador pelo amado discípulo foi correspondida em toda a força de ardente devoção. João se apegou a Cristo como a vinha se apega à majestosa coluna. Por amor do Mestre enfrentou os perigos da sala de julgamento, e permaneceu próximo a cruz; e às novas de que Cristo havia ressuscitado, apressou-se a ir ao sepulcro, e em seu zelo levou a dianteira mesmo ao impetuoso Pedro.

O confiante amor e devoção altruísta manifestados na vida e no caráter de João apresentam lições de valor


AA - Pag. 540  

inaudito para a igreja cristã. João não possuía por índole a amabilidade de caráter que sua experiência posterior revelou. Ele tinha, por natureza, graves defeitos. Não somente era orgulhoso, presumido e ambicioso de honras, mas impetuoso e vingativo quando injuriado. Ele e seu irmão eram chamados "filhos do trovão". Mar. 3:17. O mau gênio, o desejo de vingança, o espírito de crítica, tudo isso se encontrava no discípulo amado. Mas atrás dessas coisas o divino Mestre viu o ardente, sincero e amante coração. Jesus repreendeu seu egoísmo, desapontou suas ambições, provou-lhe a fé. Mas revelou-lhe o que sua alma almejava - a beleza da santidade, o transformador poder do amor.

Os defeitos do caráter de João revelaram-se fortemente em várias ocasiões durante sua associação pessoal com o Salvador. Uma vez Cristo enviou mensageiros diante dEle a uma vila dos samaritanos, pedindo ao povo para preparar hospedagem para Si e Seus discípulos. Mas quando o Salvador Se aproximou da cidade, manifestou desejo de prosseguir para Jerusalém. Isto despertou a inveja dos samaritanos, e em vez de convidá-Lo para permanecer com eles, recusaram-Lhe a cortesia que teriam dispensado a um viajante comum. Jesus jamais impôs Sua presença a quem quer que seja, e os samaritanos perderam a bênção que teriam recebido, caso O tivessem convidado a ser seu hóspede.

Os discípulos sabiam que era propósito de Cristo abençoar os samaritanos mediante Sua presença; e a frieza, a inveja, o desrespeito mostrados para com seu Mestre encheu-os de surpresa e indignação. Tiago e João


AA - Pag. 541  

especialmente se agitaram. Que Aquele a quem tão altamente reverenciavam fosse assim tratado, parecia-lhes falta demasiado grave para ficar sem imediata punição. Em seu zelo disseram: "Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez?" (Luc. 9:54) referindo-se à destruição dos capitães samaritanos e seus soldados enviados para buscar o profeta Elias. Ficaram surpresos ao verem que Jesus Se molestara com suas palavras, e mais surpresos ficaram ainda quando Sua reprovação lhes alcançou os ouvidos: "Vós não sabeis de que espírito sois. Porque o Filho do homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las." Luc. 9:54-56.

Não faz parte da missão de Cristo compelir as pessoas a recebê-Lo. É Satanás, e homens manejados por seu espírito, que procuram forçar a consciência. Sob pretenso zelo pela justiça, homens confederados com anjos maus levam algumas vezes o sofrimento a seus semelhantes para convertê-los a suas idéias de religião; mas Cristo está sempre mostrando misericórdia, sempre procurando salvar pela revelação de Seu amor. Ele não admite rival na alma, nem aceita serviço parcial; deseja somente serviço voluntário, voluntária entrega do coração constrangido pelo amor.

Em outra ocasião Tiago e João apresentaram por intermédio de sua mãe um pedido para que lhes fosse permitido ocupar a mais alta posição de honra no reino de Cristo. Não obstante a repetida instrução de Cristo com respeito à natureza de Seu reino, esses jovens discípulos ainda acariciavam a esperança por um Messias que tomasse Seu trono e real poder de acordo com os desejos


AA - Pag. 542  

dos homens. A mãe, cobiçando juntamente o lugar de honra nesse reino para seus filhos, suplicou: "Dize que estes meus dois filhos se assentem, um a Tua direita e outro a Tua esquerda, no Teu reino."

O Salvador, porém, respondeu: "Não sabeis o que pedis; podeis vós beber o cálice que Eu hei de beber, e ser batizados com o batismo com que Eu sou batizado?" Eles recordaram Suas misteriosas palavras que indicavam prova e sofrimento, contudo responderam confiantes: "Podemos." Consideravam eles a mais alta honra provar sua lealdade partilhando de tudo o que sobreviesse a seu Senhor.

"Na verdade bebereis o Meu cálice", declarou Cristo - diante dEle uma cruz em vez de um trono, Seus companheiros dois malfeitores, um a Sua direita e o outro a Sua esquerda. Tiago e João deviam ser participantes com seu Mestre no sofrimento - um, destinado à própria morte pela espada; o outro, o que dentre os discípulos por mais tempo devia seguir seu Mestre em trabalho, injúria e perseguição. "Mas o assentar-se a Minha direita ou a Minha esquerda", continuou Jesus, "não Me pertence dá-lo, mas é para aqueles para quem Meu Pai o tem preparado." Mat. 20:21-23.

Jesus compreendeu o motivo que animava o pedido, e assim reprovou o orgulho e ambição dos dois discípulos: "Bem sabeis que pelos príncipes dos gentios são estes dominados, e que os grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja o vosso serviçal; e qualquer que entre vós quiser ser o primeiro seja vosso


AA - Pag. 543  

servo; bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a Sua vida em resgate de muitos." Mat. 20:25-28.

Não se alcança posição no reino de Deus mediante favoritismo. Não é adquirida nem recebida mediante concessão arbitrária. É o resultado do caráter. A coroa e o trono são a prova de uma condição conquistada - prova do domínio do eu por meio da graça de nosso Senhor Jesus Cristo.

Muito tempo depois, quando João havia sido levado à apreciação de Cristo mediante participação nos Seus sofrimentos, o Senhor Jesus lhe revelou qual a condição de estar perto de Seu reino. "Ao que vencer", disse Cristo, "lhe concederei que se assente comigo no Meu trono; assim como Eu venci, e Me assentei com Meu Pai no Seu trono." Apoc. 3:21. Aquele que permanece mais próximo de Cristo é o que tem bebido mais profundamente de Seu espírito de amor que vai ao sacrifício - amor que "não trata com leviandade, não se ensoberbece... não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal" (I Cor. 13:4 e 5) - amor que atua no discípulo, como atuou em nosso Senhor, levando-O a dar tudo, a viver, a trabalhar e sacrificar-Se até à própria morte, pela salvação da humanidade.

Em outra ocasião, durante seus primeiros labores evangelísticos, Tiago e João encontraram alguém que, embora não fosse reconhecido seguidor de Cristo, estava expulsando demônios em Seu nome. Os discípulos proibiram-no de fazê-lo, e julgaram que estavam certos assim procedendo. Mas quando expuseram o assunto a Cristo, Ele os reprovou, dizendo: "Não lho proibais; porque ninguém há que faça milagres em Meu nome e possa logo


AA - Pag. 544  

falar mal de Mim." Mar. 9:39. Ninguém que se mostre de alguma maneira amigo de Cristo deve ser repudiado. Os discípulos não deviam acariciar um espírito estreito, exclusivista, mas sim manifestar a mesma profunda simpatia que tinham visto na vida de seu Mestre. Tiago e João haviam pensado que proibindo este homem estavam tendo em conta a honra do Senhor; mas começavam a ver que o que tinham era ciúme do que era seu. Reconheceram seu erro e aceitaram a reprovação.

As lições de Cristo, apresentando a mansidão, humildade e amor como essenciais ao crescimento na graça e como condição para Seu trabalho, foram do mais alto valor para João. Ele entesourou cada lição, e constantemente procurava levar sua vida em harmonia com o divino padrão. João tinha começado a discernir a glória de Cristo - não a pompa e o poder terrenos que tinha sido ensinado a esperar, mas "a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade". João 1:14.

A fervente e profunda afeição de João por seu Mestre não era a causa do amor de Cristo por ele, mas o efeito desse amor. João desejava tornar-se semelhante a Jesus; e sob a transformadora influência do amor de Cristo, tornou-se manso e meigo. O eu estava escondido em Jesus. Mais que todos os seus companheiros, João se rendeu ao poder desta extraordinária vida. Diz ele: "Porque a vida foi manifestada, e nós a vimos." I João 1:2. "E todos nós recebemos também da Sua plenitude, e graça por graça." João 1:16. João teve do Salvador um conhecimento experimental. As lições de seu Mestre ficaram-lhe


AA - Pag. 545  

gravadas na alma. Quando testificava da graça do Salvador, sua linguagem simples tornava-se eloqüente com o amor que lhe permeava todo o ser.

Foi o profundo amor de João por Cristo que o levou a desejar estar sempre a Seu lado. O Salvador amava a todos os doze, mas o espírito de João era mais receptivo. Ele era mais jovem que os outros, e com confiança muito de uma criança abria o coração a Jesus. Assim ligou-se por maior afeição a Cristo, e por meio dele os mais profundos ensinos espirituais do Salvador foram comunicados ao povo.

Jesus ama aos que representam o Pai, e João podia falar do amor do Pai como nenhum outro discípulo poderia fazê-lo. Ele revelou a seus semelhantes o que sentia em sua própria alma, representando em seu caráter os atributos de Deus. A glória do Senhor se revelava em sua face. A beleza da santidade que o havia transformado irradiava de seu semblante com a glória de Cristo. Com adoração e amor contemplou ele o Salvador até que assemelhar-se a Ele e com Ele familiarizar-se, tornou-se-lhe o único desejo, e em seu caráter se refletia o caráter de seu Mestre.

"Vede", disse ele, "quão grande caridade nos tem concedido o Pai: que fôssemos chamados filhos de Deus. ... Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando Ele Se manifestar, seremos semelhantes a Ele; porque assim como é O veremos." I João 3:1 e 2.

<< Capítulo Anterior Próximo Capítulo >>